domingo, 26 de julho de 2015

Rapaz de 18 anos morre após suposta aplicação de hidrogel no pênis

Jovem foi internado no HC-UE em Ribeirão e sofreu uma parada respiratória.
Cirurgiões plásticos advertem sobre riscos do uso da substância.

Um jovem de 18 anos morreu na noite de sexta-feira (24) em Ribeirão Preto (SP) em razão de complicações causadas por uma suposta aplicação de hidrogel.

Segundo informações do boletim de ocorrência, o rapaz injetou a substância no pênis, foi levado até a Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas (HC-EU), mas não resistiu a um quadro de insuficiência respiratória aguda.

O corpo do jovem foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML).

Segundo informações fornecidas pelo hospital à polícia, o rapaz, morador da zona norte da cidade, deu entrada na emergência por volta das 16h com complicações decorrentes de uma injeção de hidrogel no pênis.

Ele não resistiu ao quadro de insuficiência respiratória e morreu quatro horas após ser atendido.

O caso foi registrado na Polícia Civil como morte suspeita.


Perigo Os riscos do mau uso do hidrogel, usado principalmente para preenchimento e aumento de volume em regiões do corpo como bumbum e coxas, se tornaram mais evidentes após a morte de uma mulher em Goiânia (GO) e da internação da modelo Andressa Urach, que sofreu uma grave infecção devido ao uso do produto.

Apesar de o produto ser formado 98% por água e de ser absorvido pelo corpo após aproximadamente dois anos, o médico explica que tanto o hidrogel quanto a forma com que ele é aplicado podem provocar complicações que colocam a saúde do paciente em perigo.

“O risco pode ser desde infecção, que pode ocorrer quatro, cinco, até 10 anos após e mesmo assim levar a morte. Pode também injetar dentro de um vaso e provocar uma embolia e a morte, o que provavelmente tenha sido a causa desse jovem de Ribeirão. Ainda pode ter o deslocamento do produto, ou seja, você injeta em uma área do corpo, bumbum, por exemplo, e aquilo vai parar na coxa”, adverte o cirurgião plástico Raul Gonzalez.

Outras consequências da injeção equivocada do hidrogel são a linfangite crônica, uma inflamação nos vasos linfáticos, a insuficiência venosa e as varizes.

Ainda segundo o cirurgião, o perigo do produto está principalmente na quantidade, que, na grande parte dos casos, é aplicada muito além do recomendado. “A possibilidade de dar certo em pequena quantidade é grande. Mas a possibilidade de complicar em grande quantidade é enorme”, diz.

Proibição
González lembra ainda que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a importação e a venda do hidrogel no Brasil, mas não vetou o uso e a aplicação por clínicas e profissionais que tinham o produto, de uso exclusivamente médico, em estoque.

De acordo com o cirurgião plástico Max Engrácia Garcia, a comunidade médica ainda realiza estudos com o hidrogel para mapear seus efeitos. A dúvida, no entanto, não é suficiente para que as pessoas restrinjam o uso.

“Atualmente, é um produto fácil. Porque através da internet você tem acesso a tudo. E isso torna a situação mais fácil para a pessoa que quer se automedicar ou fazer um tratamento sem acompanhamento médico”, afirma.




Do G1 Ribeirão e Franca 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...