segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Saúde: 15 milhões já sofreram algum tipo de preconceito

Pesquisa mostra que discriminação é maior quando desconfiam que pessoa não tem dinheiro

U
ma pesquisa divulgada pela primeira vez pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) lança luz sobre um problema muitas vezes oculto na rede pública e privada de Saúde do País: o preconceito contra pacientes, prejulgados como pobres e de classe social baixa por médicos e enfermeiros.
Segundo a PNS (Pesquisa Nacional de Saúde), pelo menos 10% do total de usuários do sistema se queixam de que foram vítimas de preconceito.

São aproximadamente 15 milhões de pessoas, o que equivale a quase o total da população de São Paulo (SP). Elas relataram problemas no atendimento em hospitais em razão de algum preconceito.

Entre os pré-julgamentos mais comuns feitos por médicos e enfermeiros estão a suposta falta de recursos financeiros, a classe social, o tipo de ocupação e o de doença de quem é atendido. Há também relatos, ainda que em menor número, de discriminação em função da cor da pele e da preferência sexual dos pacientes.
Para formar a Pesquisa Nacional de Saúde, os entrevistadores do IBGE perguntaram aos usuários da rede de Saúde a seguinte questão:
"O(a) Sr (a) já se sentiu discriminado (a) ou tratado (a) pior do que as outras pessoas no serviço de saúde, por algum médico ou outro profissional de saúde por um dos motivos que se seguem?"
As respostas poderiam ser dadas a partir das seguintes razões abaixo, e o entrevistado poderia apontar mais do que uma delas:
a) Falta de dinheiro
b) Classe social
c) Raça/cor
d) Tipo de ocupação
e) Tipo de doença
f) Preferência sexual
g) Religião/crença
h) Sexo

i) Idade
Mais da metade da população acima de 18 anos que já se sentiu discriminada no serviço de saúde respondeu, como principal razão, a falta de dinheiro (53,9%) e a discriminação em razão da classe social (52,5%) que ocupa.
Segundo a PNS, o preconceito no atendimento é percebido com mais força nas regiões Norte e Centro-Oeste, onde se concentram 13,6% e 13,3%, respectivamente, daqueles 15 milhões que denunciaram alguma discriminação.
De acordo com a pesquisadora do IBGE, Flavia Vinhaes, a PNS é uma pesquisa independente que está sendo divulgada pela primeira vez e, por isso, não é possível avaliar se o preconceito relatado pelos entrevistados apresentou aumento ou diminuiu ao longo do tempo.
Ela também disse ao R7 que o órgão ainda não divulgou os dados referentes à ocupação dos informantes e, portanto, não é possível saber agora que tipo de trabalho está mais sujeito à discriminação no atendimento aos pacientes.


Fonte: JL/R7

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...