segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Drones vão perseguir bandidos em Teresina

O governador Wellington Dias (PT) afirmou que o Governo do Estado, através da Secretária Estadual de Segurança, vai usar nas ruas de Teresina drones (veículos aéreos não tribulados) para atuarem junto com o helicóptero e ligados à base de câmeras de vídeo para o combate ao crime e perseguição aos bandidos durante operações especiais.
Segundo Wellington Dias, a base móvel da Polícia Militar vai ter policiais em motocicletas e câmeras de monitoramento fixas e os drones vão permitir a visualização de todo o espaço aéreo de Teresina. “Vamos trabalhar a prevenção na segurança pública”, afirmou Wellington Dias.

Ele explica que muitas vezes, o bandido faz um assalto e a polícia chega um pouco depois no local do crime. Nesses casos, a Polícia Militar vai usar os drones para localizar o suspeito do assalto. “Ao localizar o suspeito do crime, o drone ajuda o trabalho da polícia”, declarou Wellington Dias. Ele falou que os drones são mais um esforço para reduzir a criminalidade no Piauí, os homicídios e os assaltos.

“Basta comparar a nossa situação no Piauí com a dos outros Estados. Podemos dar uma olhada do que aconteceu neste ano e o que aconteceu em 2015. Enfim, nós vamos trabalhar para reduzir ainda mais os crimes e os drones e as câmeras são importantes para isso”, falou Wellington Dias, adiantando que recebeu além dos drones da Secretaria Nacional de Segurança Pública mais cinco equipamentos de câmeras de vídeo para que a Polícia Militar faça monitoramento nos locais onde são registrados mais homicídios e assaltos.

Os equipamentos de monitoramento das regiões críticas em relação à violência e os homicídios no Piauí com a do Satélite, na zona Leste, e na região do bairro Santo Antônio e conjunto Promorar, na zona Sul.

O Governo do Piauí vai usar os drones, que terão investimentos de parte dos R$ 50 milhões que o Governo Federal destinou ao Piauí seguindo o trabalho feito pela Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná que ofereceu curso de capacitação sobre o uso de drone (veículo aéreo não tripulado) para policiais civis e rodoviários federais.

A intenção é usar o equipamento no trabalho de investigação policial.

A Secretaria Nacional de Segurança Pública informou que os drones contam com uma câmera de alta resolução e pode ser útil em resgates, perícias e rebeliões. Manobrado por controle remoto, o equipamento sobrevoa os locais escolhidos para investigações.

Segundo a Secretaria Nacional de Segurança Pública, o drone auxilia a observação de jogos de futebol e shows, que têm grande aglomeração de pessoas, no levantamento de informações de áreas sob investigação e também em perícias no local do crime.

Além disso, o Corpo de Bombeiros tem a possibilidade de verificar a extensão de um incêndio florestal com o equipamento ou localizar uma área para o resgate e salvamento de pessoas.

O drone também pode ser utilizado no controle de rebeliões em penitenciárias do Piauí , para captar a imagens de dentro do presídio, o que auxilia nas negociações com os presos.

O secretário estadual de Segurança, major Fábio Abreu, disse que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) está regulando os drones e as normas servirão para o treinamento dos policiais que irão usar os aparelho.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) apresentou proposta de regulamentação para utilização de drones ou aeromodelos, tecnicamente conhecidos por Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT) não autônomos ou Aeronaves Remotamente Pilotadas (RPA).

“A proposta é normatizar a operação desses veículos aéreos, um segmento inovador no País, garantindo a segurança das pessoas e ao mesmo tempo permitir o desenvolvimento do setor”, afirmou Marcelo Guaranys, diretor-presidente da Anac.

A regulamentação ainda prevê minimizar ônus administrativos e burocracia, já que as regras estão estabelecidas de acordo com o nível de complexidade e risco envolvido em cada operação.

Coordenado pela Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República, um grupo de trabalho (GT) está reunido desde fevereiro deste ano para reforçar a discussão sobre segurança na aviação civil, em temas que envolvem questões de privacidade do cidadão, a utilização de radiofrequência e a segurança pública na operação de drones.

O objetivo do GT é harmonizar as ações dos órgãos de controle aéreo e promover a inserção dessas aeronaves no espaço aéreo de forma segura. Participam também do grupo representantes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), da Anatel, do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea); dos ministérios da Justiça, da Defesa e do Desenvolvimento; do Departamento de Polícia Federal e da Receita Federal. A Secretaria de Aviação Civil organiza um workshop para tratar da regulamentação dos RPA com a presença de todos os órgãos do GT.

O texto da Anac estabelece a diferença entre aeromodelos, VANT e RPA e determina normas para o projeto, manutenção, operação e registro desses veículos aéreos, dividindo-os em três classes de acordo com as características de cada operação. Somente RPA e aeromodelos não autônomos, modalidade em que há um piloto remoto com capacidade de intervir na operação, entram na proposta de regulamentação. VANT ou aeromodelos autônomos continuam proibidos.

Órgãos de segurança pública e defesa civil poderão operar em quaisquer áreas, sob responsabilidade do órgão (ou do operador que estiver a serviço deles), desde que observadas as demais exigências da futura norma. Atividades ilícitas ou invasão de privacidade com uso de RPA serão tratadas pelas autoridades de segurança pública competentes.

Atualmente, a legislação sobre o assunto (Lei nº. 7.565/86) determina que, para operar, qualquer aeronave deve ser autorizada. A Anac também prevê a emissão de autorização para uso de RPA somente para pesquisa e desenvolvimento e treinamento de pilotos. Para o uso de aeromodelos, vigora hoje a Portaria DAC n° 207/STE/1999, que define que os equipamentos devem respeitar a restrição de não operar nas zonas de aproximação e decolagem de aeródromos e nunca ultrapassar altura superior a 400 pés (aproximadamente 120 metros) mantendo-se o equipamento sempre ao alcance da visão do piloto.


fonte: meionorte.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...