terça-feira, 3 de maio de 2016

Em meio aos bombardeios, médicos se arriscam na Síria para salvar vidas

As imagens do perigoso trabalho dos médicos em meio aos bombardeios rendeu o prêmio Robert Capa Gold Medal para o fotógrafo Bassam Khabieh

N
a semana passada, um hospital em Alepo foi bombardeado por aviões do ditador sírio Bashar al Assad ou de seu aliado, o russo Vladimir Putin. Quase três dezenas de pessoas morreram, inclusive pacientes e médicos. Um deles, Dr Muhammad Waseem Maaz, era o único pediatra no hospital. Este vídeo mostra o Dr. Maaz andando pelo corredor momentos antes da explosão da bomba. O episódio escancarou as condições duríssimas em que os profissionais de saúde atuam na Síria. Situações como essa, do bombardeio, refletem um risco diário que nem sempre vem a público.
O fotógrafo sírio Bassam Khabieh, da agência Reuters, é um dos poucos jornalistas que vem retratando consistentemente essa realidade. Na semana passada, seu trabalho foi reconhecido com a Medalha de Ouro Robert Capa, o maior prêmio de fotografia de guerra do mundo, que é concedido pelo Overseas Press Club à “melhor reportagem fotográfica que exigiu coragem excepcional” de seu autor.
A reportagem premiada é entitulada “Hospital de campanha em Damasco” (originalmente “Hospital de campanha em Douma”) e mostra cenas de horror dentro da clínica, principalmente logo após um ataque aéreo em 13 de dezembro de 2015. Khabieh também documentou o drama de um bebê que teve de ser tirado prematuramente, aos 8 meses, da barriga da mãe, que morreu após ser ferida com estilhaços em um bombardeio. O bebê sobreviveu em uma incubadora, mas esteve ameaçado por bombardeios posteriores contra o centro de emergência. Enquanto as bombas caíam, conta Khabieh neste depoimento com fotos para o site da Reuters, “o pai do bebê chorava amargamente, dizendo que ele temia pelo futuro da criança recém-nascida”.
Com observa Khabieh, é incrível como os médicos conseguem trabalhar nessas condições tão difíceis, em que, se não bastasse a falta de material, de equipamentos e de mão-de-obra, eles ainda têm de se preocupar em evacuar pacientes durante possíveis bombardeios. Nesta outra reportagem, com fotos igualmente espantosas, Khabieh mostra como a alegria de crianças diante da chegada de um comboio com remédios e comida do Crescente Vermelho (o equivalente à Cruz Vermelha nos países muçulmanos) se transforma em desespero quando os carros de ajuda humanitária são bombardeados.
Só mesmo a coragem de abnegados é capaz de garantir que a população civil da Síria tenha algum tipo de assistência médica em meio à guerra.




Fonte: JL/Veja

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...