sexta-feira, 19 de agosto de 2016

No vôlei de praia, brasileiros batem italianos e levam o ouro

Dupla vence Nicolai e Lupo por 2 a 0 e coloca o Brasil no lugar mais alto do pódio de uma Olimpíada 12 anos após Emanuel e Ricardo serem campeões em Atenas 2004

Assim que foram apresentados pelo locutor em quadra, Alison Cerutti e Bruno Schmidt levantaram a galera. O Mamute abriu os braços e pediu apoio. O público foi ao delírio e correspondeu. Parecia um estádio de futebol. Parecia um caldeirão. E nem a chuva que caía forte na Arena de Vôlei de Praia, em Copacabana, no início da madrugada desta sexta-feira, foi suficiente para esfriar o calor e a energia que emanavam dos donos da da casa na decisão contra os italianos Nicolai e Lupo. E foi nesse clima que o Brasil ganhou mais dois novos campeões olímpicos. Com o placar de 2 a 0, parciais de 21/19 e 21/17, na raça e no coração, o capixaba e o brasiliense garantiram a medalha de ouro nas areias de Copacabana. Podem soltar o grito de "É campeão!", podem bater no peito, podem comemorar muito.

Trata-se da segunda medalha de ouro olímpica do Brasil no vôlei de praia masculino. A primeira foi há 12 anos, quando Ricardo e Emanuel venceram Javier Bosman e Pablo Herrera, da Espanha, em Atenas 2004. Foi justamente com Emanuel que Alison teve a sua primeira participação olímpica. A parceria vitoriosa durou quatro anos. Quando Mamute, o gigante de 2,03m, resolveu se separar do campeão da edição grega dos Jogos, passou então a jogar com Bruno logo na sequência. Para o sobrinho do apresentador do "Fantástico" Tadeu Schmidt, que estava na arquibancada com a família e se emocionou muito, foi a primeira vez numa Olimpíada. Já sai como campeão. E jogando em casa.

A medalha de bronze ficou com os holandeses Brouwer e Meeuwsen, que marcaram 2 a 0, parciais 23/21 e 22/20, nos russos Viacheslav Krasilnikov e Konstantin Semenov. É a primeira medalha olímpica da história do país no vôlei de praia.    O jogo

Logo no primeiro ponto, que a arbitragem deu fora em uma cortada de Alison, Bruno pediu desafio. Deu certo, e o Brasil começou na frente. A Itália virou. O saque forte de Nicolai, que chegou a 98km/h, ajudou. Os europeus abriram 4 a 1. O tempo na partida foi providencial. Bruno fez um ace espetacular, mandando a bola no peito de um rival, e o Mamute pediu apoio dos fãs. Um erro da Itália botou os anfitriões no jogo. A partiu daí o duelo ficou equilibrado. O empate veio em 8 a 8 no bloqueio do capixaba. A virada, depois de defesa sensacional e cobertura de Bruno.

O jogo seguiu equilibrado. Duas falhas do Mamute deixaram tudo igual em 17 a 17. Mas ele se redimiu com uma bomba. A Itália voltou à dianteira na sequência, mas o capixaba empatou. Nicolai mandou a bola longe e cedeu o set point. O Brasil não desperdiçou. Foi no "Monster Block" ("Bloqueio Monstro") de Alison – a expressão que virou sensação entre a torcida na Arena de Vôlei de Praia para se referir aos bloqueios – que eles fecharam em 21 a 19.
 
No segundo set, Nicolai começou pontuando no bloqueio, mas Alison deu o troco. Pouco depois, o camisa 1 italiano discutiu por um tempo com o juiz, alegando que o Mamute tinha tocado na rede na hora em que foi bloquear, mas as imagens do telão deram razão ao Brasil, que empatou. Um ace de Alison virou. A Itália empatou, mas Nicolai mandou seu serviço na rede. A virada europeia veio no erro de ataque do capixaba, e o 6 a 4, no toquinho de Lupo. Após longo rali, o Mamute fez o Brasil chegar mais perto com uma bomba no número 1 italiano. As duplas passaram a fazer um jogo mais equilibrado, mas os visitantes ainda estavam na dianteira (9 a 6).

Alison parecia um pouco atônito, postura diferente da que demonstrou no primeiro set, mas o apoio que ele pediu à torcida na parcial anterior veio sem que ele precisasse falar nada no segundo. Os brasileiros começaram a gritar, a escola de samba Unidos da Tijuca embalou o ritmo, e o Mamute acertou duas bolas em sequência. Os italianos até reagiram, mas o Brasil passou a frente em 16 a 14. A partir daí foi um frenesi na Arena de Vôlei de Praia. A defesa incrível de Bruno e o toque com categoria logo na sequência abriram 19 a 15. O Mamute acertou o bloqueio, mas o árbitro deu ponto da Itália, pois ele bateu na rede. Nicolai errou o saque, e o Brasil chegou ao título logo depois de um bloqueio de Alison num lance confuso em que a arbitragem deu a favor dos brasileiros: 21 a 17.

A TRAJETÓRIA DE BRUNO/ALISON NO RIO

Alison e Bruno estrearam nos Jogos Olímpicos contra os canadenses Josh Binstock e Sam Schachter, em jogo válido pelo Grupo A. Lidaram com o forte vento e quebraram o gelo da estreia para vencer por 2 a 0 (21/19 e 22/20). O segundo jogo foi o pior dos brasileiros e marcou a única derrota da parceria na campanha. Usando uma tática de sacar somente em Schmidt, Doppler e Horst, da Áustria, venceram por 2 a 1, parciais de 23/21, 16/21 e 15/13.

A terceira partida da primeira fase foi contra os italianos Alex Ranghieri e Adrian Carambula. O Brasil não caiu na provocação do segundo, que apontou para genitália e se virou na direção do público. A dupla superou uma lesão do Mamute para vencer por 2 a 0 (21/19 e 21/16).

Na fase de mata-mata, duelo contra os espanhóis Herrera e Gavira nas oitavas de final. Alison voou, fez 31 pontos, e os brasileiros marcaram 2 a 0 (24/22 e 21/13). Nas quartas, uma “final antecipada” no embate diante do campeão olímpico Phil Dalhausser (Pequim 2008) e seu parceiro Nick Lucena, dos Estados Unidos. Vitória do Brasil por 2 a 1 (21/14, 12/21 e 15/9).


Na semi, um dos melhores jogos de todo o campeonato. Os dois atletas do Brasil jogaram fácil o primeiro set contra os holandeses Alexander Brouwer e Robert Meeuwsen, e depois sofreram com a reação rival no segundo set, puxada pelo gigante Meeuwsen, de 2,07m. Mas ganharam por 2 a 1 (21/17, 21/23 e 16/14).
Fonte: JL/Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...