quinta-feira, 19 de julho de 2018

Ciro nega ter sido racista e chama membros do MBL de deliquentes

Foi processado por injúria racial. Xingou promotora que o investiga. Associações fizeram nota de repúdio.
 0pré-candidato à Presidência da República Ciro Gomes (PDT) voltou a criticar nesta 4ª feira (18.jul.2018) o MP-SP (Ministério Público de São Paulo) por pedir abertura de inquérito contra ele.

A ação foi movida pelo vereador do MBL Fernando Holiday (DEM-SP), que acusa o pedetista de injúria racial. Ciro chamou o vereador de “capitãozinho do mato”.
Em entrevista à Rádio Bandeirantes nesta 4ª o pré-candidato ao Planalto disse: 
“Em um ambiente democrático ele [Holiday] pode defender o que quiser e eu posso criticá-lo. Eles [MBL] me chamam de coronel todo dia por quê? Porque sou nordestino. E eu vou judicializar isso? Deixe que eu cuido da política e o MP, por favor, vá cuidar das facções criminosas aqui em São Paulo, e não dessas baboseiras da política”.

A primeira crítica ao Ministério Público paulista foi na 3ª feira (17.jul). “1 promotor aqui de São Paulo resolve me processar por injúria racial. E pronto, 1 filho da puta desse faz isso. Ele que cuide de gastar o restinho das atribuições dele, porque se eu for presidente essa mamata vai acabar”.

Na entrevista desta 4ª, o pré-candidato negou ter sido racista e ainda chamou os membros do MBL de “deliquentes juvenis”.
Notas de repúdio

O MP-SP divulgou nota de repúdio contra a declaração do pré-candidato. O órgão defendeu a atuação da promotora responsável pelo caso, sem divulgar a identidade dela. Disse que a promotoria seguirá atuando “com a mais absoluta serenidade”. Eis a íntegra:

O MPSP vem a público esclarecer que a atuação da promotora de Justiça que requisitou inquérito policial sobre eventual prática de injúria racial por parte do senhor Ciro Ferreira Gomes dá-se estritamente dentro dos marcos estabelecidos pela legislação e pela Constituição, que garante a inviolabilidade das prerrogativas dos membros do Ministério Público, cuja atuação ocorre sempre em nome da sociedade.

Sendo assim, cabe ressaltar que os termos com os quais o investigado referiu-se à promotora são completamente inapropriados. Compete ao conjunto dos promotores de Justiça, nos termos do artigo 127 da Carta Magna, defender a ordem jurídica e o regime democrático. E esse trabalho continuará sendo feito com a mais absoluta serenidade, levando-se em conta rigorosos parâmetros de profissionalismo, técnica e impessoalidade.

A APMP (Associação Paulista do Ministério Público) também divulgou nota contra a declaração do pedetista. A entidade afirmou que a atitude de Ciro atenta contra o próprio Estado Democrático de Direito. Leia a íntegra:

A Associação Paulista do Ministério Público (APMP), entidade que representa mais de 3.000 Promotores e Procuradores de Justiça do Estado de São Paulo, da ativa e aposentados, vem a público REPUDIAR as declarações feitas pelo Sr. Ciro Gomes, ex-Ministro da Fazenda e da Integração Nacional, referindo-se de forma desrespeitosa a Membro do Ministério Público e, por consequência, a toda a Instituição, fazendo gravíssimas ameaças às honrosas atividades ministeriais, durante sabatina realizada no dia 17 de julho pela Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

É inaceitável qualquer referência de baixo calão a Membro do Ministério Público que atua no exercício constitucional de suas prerrogativas e no estrito cumprimento de seu dever. Da mesma forma, o comportamento do referido ex-Ministro atenta não só contra a independência funcional institucional, mas também contra o próprio Estado Democrático de Direito.

Dessa forma, além de repudiar com veemência as gravíssimas declarações, a APMP manifesta seu total apoio ao trabalho dos Promotores de Justiça e ao papel fundamental do Ministério Público, Instituição que, exatamente por cumprir seu mister e suas obrigações na defesa da sociedade, vem sendo alvo de constantes e perigosos ataques.

Fonte: JL/PODER 360

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...