terça-feira, 1 de janeiro de 2019

Com sete calouros na política, novos governadores se dividem entre treze partidos

Poder nos estados ficou mais dividido e 13 partidos estarão no comando de governos estaduais 
Dos 20 governadores que tomam posse nesta terça-feira (1º), 10 vão para o segundo mandato consecutivo. O índice de reeleição em 2018 foi inferior ao de 2014, quando 11 dos 18 concorrentes obtiveram êxito. O insucesso se deve em grande parte aos problemas financeiros dos estados, onde a tônica tem sido a ruína dos serviços públicos, greves e dificuldades para pagar servidores.

Mas também contou muito o desejo de renovação. Elegeram-se associando seus nomes ao de Bolsonaro 14 governadores: sete eram estreantes na política (Rio de Janeiro, Minas Gerais, Distrito Federal, Santa Catarina, Amazonas, Rondônia e Roraima). A oposição ficará à frente de dez estados (Espírito Santo e todos do Nordeste); três governadores são independentes (Pará, Tocantins e Amapá).

O poder nos estados ficou mais dividido e 13 partidos estarão no comando de governos estaduais. Em 2010, seis partidos elegeram governadores. Em 2014, oito. Entre os eleitos, três são do PSL de Jair Bolsonaro. A única mulher governadora será Fátima Bezerra (PT-RN).

Marinheiros de primeira viagem

Entre os marinheiros de primeira viagem na política estão dois militares: o Coronel Marcos Rocha (PSL-RO) e o Comandante Moisés (PSL-SC). Há dois empresários: Romeu Zema, que, após uma arrancada surpreendente, se tornou o primeiro governador da história do Novo, e Antonio Denarium (PSL-RR). Também ocupará um cargo público pela primeira vez o apresentador de TV Wilson Lima (PSC-AM).
Os outros dois calouros vêm do meio jurídico: o ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB-DF) e o ex-juiz Wilson Witzel (PSC-RJ). Com discurso linha dura, Witzel foi, ao lado de Zema, a maior surpresa da eleição para governador. Sem qualquer experiência política, deixou para trás o ex-prefeito do Rio Eduardo Paes (DEM), entre outros nomes.
 
Fonte: JL/Congresso em Foco

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Justiça determina que ações de campanha eleitoral que favoreçam aglomerações devem ser evitadas

  Justiça determina que ações de campanha eleitoral que favoreçam aglomerações devem ser evitadas  Estão proibidos os atos de camp...