quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

Empresário é alvo do Gaeco por emissão de notas frias e fraude em prefeitura


Fotos: divulgação Gaeco
O alvo da operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) deflagrada nesta quarta-feira (29) é o empresário dono da construtora Novo Milênio. A pedido da Procuradoria Geral de Justiça, os policiais e agentes cumpriram três mandados - em residências do empresário em Teresina e Monsenhor Gil e outro na casa de um assessor do empresário. O Gaeco investiga fraude em licitação e emissão de notas fiscais frias.

O coordenadora do Gaeco, promotora Débora Geane Aguiar Aragão, informou que as empresas existem, mas estariam emitindo notas fiscais frias e participando de licitações fraudulentas na cidade de São Miguel da Baixa Grande. 

Como o prefeito da cidade, Josemar Teixeira, tem foro privilegiado, a operação está sendo realizada pela Procuradoria Geral de Justiça. 

"As irregularidades envolvem desvio de recursos para calçamentos e outras obras no município", disse a promotora. 

A operação

É a segunda etapa da operação "Águas de Março", que tem como alvo pessoas investigadas por fraudes em licitação no município de São Miguel da Baixa Grande.

No pedido de busca e apreensão, o Ministério Público ressaltou “que as empresas construtoras praticavam operações com notas fiscais 'frias', realizando empenho e recebendo valores vultosos, mesmo não possuindo capacidade operacional para executar obras e qualquer tipo de serviço, além de possuírem quantidade ínfima de funcionários”, bem como justificou a necessidade de novos mandados de busca e apreensão para apuração de fatos novos que surgiram no decorrer das investigações, uma vez que os agentes investigados continuam na prática criminosa, provocando dano ao erário municipal.

A Primeira etapa da operação "Águas de Março" foi realizada em março de 2019, e teve como alvo o prefeito e a Prefeitura Municipal de São Miguel da Baixa Grande, o prefeito de Manoel Emídio, e outras pessoas ligadas às empresas investigadas por fraude à licitação.

Os mandados foram cumpridos com o apoio da Polícia Civil, incluindo a Delegacia de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (DECCOR), Polícia Militar e Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE).

O portal tentou contato com o prefeito de São Miguel da Baixa Grande e o empresário e não conseguiu localiza-los. O espaço está aberto para esclarecimentos. 

Flash Yala Sena (Com informações do Gaeco)
redacao@cidadeverde.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...