quinta-feira, 1 de julho de 2021

Justiça dá 48 horas para CBF explicar por que nenhum jogador da seleção brasileira usa a camisa 24

 

A Justiça deu 48 horas de prazo para a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) explicar por que nenhum jogador da seleção brasileira usa a camisa de nº 24 na disputa da Copa América.

O Brasil é o único time que não tem um camisa 24 na competição, enquanto todas as outras seleções possuem. O número 24 é associado com “gays”.

No caso do time canarinho, a numeração pula do 23 (Ederson) para o 25 (Douglas Luiz).

A decisão judicial foi tomada pelo juiz Ricardo Cyfer, da 10ª Vara Cível do Rio de Janeiro, na última terça-feira (29), após o “Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT” entrar com um processo contra a CBF para que a entidade explique o caso.

Com isso, a Confederação terá que atender a liminar concedida e responder cinco questionamento feitos pelo grupo na petição do processo em até 48 horas. Caso não se posicione, a entidade receberá multas diárias de R$ 800.

“A luta da comunidade LGBTQIA+ pelo fim da discriminação contra seus membros, com o reconhecimento do seu direito a uma convivência plena na sociedade, é amplamente conhecida, tendo suas causas e seu desenvolvimento sido sobejamente detalhados na narrativa dos fatos na inicial desta ação. Da mesma forma, tem se mostrado cada vez com maior clareza o importante papel que a adoção de medidas afirmativas no âmbito das práticas esportivas exercem para o incremento dessa luta, com ênfase para aqueles esportes tradicionalmente considerados no universo masculino”, escreveu Cyfer.

“E, como no Brasil a popularidade do futebol, esporte que ainda se insere nessa tradição masculina, ainda não foi suplantada por outro, sobressai-se a importância da adoção dessas medidas no contexto das suas competições”, acrescentou. (Folha da República)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Cristiano Brito nasceu para ser médico

                                                                      Dr. Cristiano Brito Melo Em nossa cidade Cocal é tão difícil entender ...