sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Wellington aciona TCE para tutelar fim do atual governo


Deputado Merlong Solano: equipe do governo eleito teme eventuais desmandos administrativos do Governo Zé Filho

A equipe de transição do governador eleito Wellington Dias (PT) pediu apoio do Ministério Público e do Tribunal de Contas do Estado para impedir eventuais desmandos administrativo-financeiros nos últimos dois meses do Governo Zé Filho (PMDB). O temor é que tais medidas possam colocar o Estado em situação difícil para o futuro governo, compromentendo o início da administração petista. 
A equipe de transição do governo eleito pediu uma auditoria nas contas do Estado para apurar supostos desvios. A comissão não descarta levar alguns casos à Justiça para responsabilizar a atual gestão, isentando a próxima, para evitar o bloqueio nos repasses de recursos para o Estado. Hoje, encerra o prazo para a equipe de transição do governador Zé Filho (PMDB) entregar relatórios com as informações das pastas para a equipe petista. 
O governador eleito Wellington Dias disse ontem à TV Antena 10 que está "preocupadíssimo com a sanidade financeira e administrativa do Estado". Um dos membros da equipe de transição, deputado estadual Merlong Solano, informou que o MP e o TCE disponibilizaram pessoal para acompanhar a transição e estão ajudando a fiscalizar o Estado. "Existe um monitoramento na avaliação dos documentos e informações disponíveis", acrescentou. O cuidado, adiantou ele, é para que as medidas que estão sendo tomadas agora não inviabilizem a próxima administração.
A equipe de transição ainda não tem informações e dados concretos que possa fazer projeções. Foram solicitadas informações sobre o número e os valores em atraso para o pagamento de servidores terceirizados e dos fornecedores da administração estadual, e também dos valores que o Estado tem expectativa de receber e o que tem para pagar. Pediu também a relação de obras que foram paralisadas por falta de recursos ou por outras razões, e como estão essas obras hoje.
Esse relatório deve ser entregue hoje pela equipe do Governo Zé Filho. "Essas dividas preocupam, porque já temos a paralisação das obras, pode haver a de serviços. Já soubemos que as aulas em algumas escolas pararam porque não tem alimento para a merenda escolar. Boa parte dos terceirizados está sem receber salário e tem um problema com a previdência do Estado", comentou o deputado petista.
Ele revelou que foi pedida auditoria em vários órgãos do Estado, principalmente, na Previdência, que deve ter o acompanhamento de técnicos do TCE e o MP. Merlong destacou que o promotor de Justiça Fernando Santos está acompanhando os trabalhos e o MPE tem autonomia para fazer as eventuais denúncias.
 

Campanha de Aécio avalia que três motivos o fizeram cair nas pesquisas

O primeiro é a inserção petista de 30 segundos, transmitida pelas emissoras de televisão em horário nobre, na qual o locutor diz que "Aécio tem mostrado dificuldade em respeitar as mulheres".

A
partir de pesquisas qualitativas, a campanha presidencial do senador Aécio Neves (PSDB) concluiu que três motivos fizeram as intenções de votos do candidato cair nos últimos levantamentos eleitorais. Todos os fatores são vinculados a discursos do PT e da presidente Dilma Rousseff.
 
O primeiro é a inserção petista de 30 segundos, transmitida pelas emissoras de televisão em horário nobre, na qual o locutor diz que "Aécio tem mostrado dificuldade em respeitar as mulheres". Trata-se do vídeo com a segunda maior audiência no canal oficial da campanha de Dilma no YouTube. Publicado no sábado, o vídeo tem 335 mil visualizações.
 
Outros dois motivos são as sequências de críticas que Dilma fez nos debates e em seus programas de televisão aos governos de Aécio em Minas Gerais e à falta de água em São Paulo, estado governado pelo tucano Geraldo Alckmin. Segundo o núcleo de comunicação de Aécio, esses assuntos pegaram, principalmente, entre os indecisos. Levantamentos do Datafolha mostram que, nos últimos seis dias, as intenções de votos de Aécio caíram de 51% para 48% e as de Dilma subiram de 49% para 52%.

Fonte: JL/Época

OAB defende mobilização como a das "Diretas Já" para aprovar reforma política



Para aprovar a reforma política será necessária uma mobilização semelhante ao movimento pelas eleições diretas, defendeu hoje (23) a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), no encerramento do Congresso Nacional de Advogados. O secretário da Comissão Especial de Mobilização pela Reforma Política Democrática da OAB, Aldo Arantes, destacou que o projeto defendido pela entidade e mais 102 instituições vai requerer grande envolvimento da sociedade para passar no Legislativo. 
"Uma proposta dessa natureza tem dificuldade de passar no Congresso, mas, se a sociedade se mobiliza, consegue. A influência dessa pressão sobre o Congresso é muito forte. Portanto, o pressuposto absolutamente necessário é o envolvimento da sociedade", disse Arantes. Acrescentou que este debate será a principal pauta política do ano que vem: "é necessária uma reforma política democrática, que assegure uma identificação entre a representação política e as aspirações da maioria da sociedade. Por isso, apresentamos esse projeto. Temos o dever e o papel de mobilizar a sociedade em algo semelhante ao que foi a "Diretas Já".

Saiba Mais

O ponto mais importante a ser aprovado pela reforma política, na visão da OAB, é o fim do financiamento de empresas às campanhas, com a permissão apenas de financiamento público ou de pessoas físicas, com valor limitado. Outro, é a votação legislativa em dois turnos, quando os eleitores votariam, primeiro, nos projetos dos partidos, para depois escolherem seus candidatos entre os partidos eleitos.
"Isso faz com que o debate se coloque em outro patamar, que a eleição não se dê em torno de pessoas, mas de projetos para o país, reduzindo o número de candidatos e de partidos de forma democrática e consolidando política e ideologicamente os partidos do país", defendeu Aldo Arantes.
A OAB também defende o voto em lista fechada baseado nas propostas apresentadas. Assim, no primeiro turno os candidatos seriam definidos em eleições internas e, nesta listagem, seria obrigatória a divisão igualitária entre homens e mulheres: "vivemos a situação absurda em que as mulheres são mais de 50% da população e menos de 10% dos congressistas eleitos".
O último dos quatro pontos defendidos é o fortalecimento dos mecanismos de participação direta, como os plebiscitos, referendos e projetos de inciativa popular enviados ao Legislativo. "Eles estão presentes na Constituição, mas são praticamente letra morta", criticou Arantes.
A proposta de reforma política defendida pela OAB é assinada, também, por entidades religiosas, como a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic), de representantes sindicais, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), e por outras entidades e movimentos sociais como a União Nacional dos Estudantes (UNE), o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST).

Fonte: JL/Abr

ELEIÇÕES - Em entrevista, Wellington Dias diz:

Aos 52 anos, um dos principais integrantes da nova geração de políticos do Nordeste que participou por dentro do crescimento da região, como governador, como senador e líder da bancada do partido na Casa, Wellington comemora o salto no PIB do Estado — que era de R$ 7 bilhões e passou para mais R$ 30 bilhões

Reeleito para cumprir um terceiro mandato no Piauí, Wellington Dias fala sobre explosão de ódio na reta final da campanha presidencial

Bancário e radialista, o senador Wellington Dias (PT-PI) saiu das urnas de 5 de outubro como um tri campeão de votos em seu Estado. Eleito governador de seu Estado pela primeira vez, em 2002, Wellington repetiu a vitória em 2006 e tornou a se eleger para um terceiro mandato em 2014 — sempre na primeira rodada — com um total de 63% dos votos, enquanto Dilma fez 71%.
Aos 52 anos, um dos principais integrantes da nova geração de políticos do Nordeste que participou por dentro do crescimento da região, como governador, como senador e líder da bancada do partido na Casa, Wellington comemora o salto no PIB do Estado — que era de R$ 7 bilhões e passou para mais R$ 30 bilhões — , a elevação na expectativa de vida ao nascer — hoje é de 70 anos contra 50 quando ele próprio veio ao mundo — e o crescimento da renda per capta, que multiplicou-se mais de quatro vezes e hoje é de R$ 9 000. O próprio Wellington admite, no entanto, que mesmo crescendo muito o Piauí continua entre os três Estados mais pobres do país, ao lado de Alagoas e Maranhão. Mesmo sendo o campeão nacional de empreendedorismo, conforme certificado do Sebrae, o Piauí tem regiões de imensa pobreza. A Segurança Pública, “que estava bem, teve uma piora e precisa ser melhorada,” diz ele. Engajado 24 horas por dia na campanha pela reeleição de Dilma, Wellington Dias deu a seguinte entrevista ao 247:
PERGUNTA — Por que tantas cenas de ódio na reta final da campanha presidencial?
Não é novidade que líderes do PSDB e alguns outros partidos, especialmente de São Paulo, Paraná e Distrito Federal, propagam uma política de ódio contra o Partido dos Trabalhadores. Antes nos combatiam espalhando o medo: diziam até que o PT iria fechar igrejas. Mas não deu certo, até porque nunca foram abertas tantas igrejas, no país, como durante os governos do PT. A política do ódio começou em 2006, mas o povo reagiu, dizendo “Mexeu com Lula, mexeu comigo. Depois tentaram tirar proveito do movimento de rua de junho de 2013 e nesta eleição de 2014 destilam ódio país a fora. Eu vi repórter da Globo fazendo matéria com ” Medo do Povo. “Agora tentam transformar uma campanha para a escolha de quem vai presidir o Brasil a partir de 2015 num julgamento, na linguagem deles “quem apóia os petralhas” e quem rejeita. Nada de avaliar quem é Dilma Rousseff e Aécio Neves, qual a história dela e a dele. Querem impedir o povo de refletir sobre o que cada um já fez ou que projeto a candidata Dilma representa ou Aécio.
PERGUNTA — 0 governo também tem sido acusado de atacar a oposição….
A verdade é a seguinte: o PSDB ataca mas não quer ser atacado. Numa linguagem nordestina, são mofinos. Não aceitam reação. Querem esquecer que há uma frente de partidos que se uniram em torno de um projeto de desenvolvimento do Brasil e que vem dando resultados: em 2002 nosso PIB era de U$ 500 bilhões e agora está perto de U$ 3 bilhões. Não querem comparar o projeto de um lado e de outro porque isso seria desvantajoso para eles. Querem que os eleitores esqueçam o que está em jogo numa eleição e com isto garantir campo para o ódio, para um “Movimento Nacional Anti PT”.
PERGUNTA — Muitas pessoas tem a impressão de que o PT bate mais do que o PSDB…
O Aécio mesmo disse: “Eu não vou bater”. Ele bate muito, as vezes mais do que o PT mas nem sempre precisa fazer isso. Há setores da imprensa que batem de manhã, à tarde e à noite, todos os dias da semana. Com raras e honrosas exceções, cada jornal, telejornal ou revista que sai de São Paulo, é pancadaria, calunia, difamação, pesquisa fraudulenta, ódio. O clima é de apartheid entre ricos e pobres, o Brasil deles e o resto… e ainda botando a culpa no PT. Não custa lembrar que a parcialidade levou a presidenta Dilma a não ir a um programa com a Globo. Eu vivi algo parecido no Piauí. A “escola do ódio” espalhou-se pelo Brasil a fora. O que ninguém não esperava era que a presidenta fosse reagir. Mulher, mãe, avó… Reagiu. Aécio atirou mas levou. Os “mofinos” depois foram para o TSE dizer que queriam acabar com a “baixaria”. É isto mesmo? Ouvi direito?
PERGUNTA –O senhor costuma dizer que está “caindo a ficha” de muitos eleitores e que isso favorece Dilma na votação. Como é isso?
A pergunta que precisamos fazer é muito simples: por que a maioria dos brasileiros que deu vitória a dois homens — o presidente Fernando Henrique Cardoso, que mudou a Constituição para ter reeleição, e depois para Luiz Inácio Lula da Silva — iria negar um segundo mandato à primeira mulher presidenta? Dilma é honesta, corajosa, comprometida com o desenvolvimento de todo o Brasil. Eu acho mesmo que ela sabe cuidar dos mais pobres, como uma mulher sabe cuidar. Ao mesmo tempo, mantém a postura de quem governa um dos maiores países do mundo. É isto que vai contar dia 26 de outubro.
PERGUNTA — Como você vê essa postura na campanha?
É a primeira vez que quem preside o Brasil assume uma posição necessária, de encarar problemas importantes e evitar respostas cômodas. Em vez de dizer que ” a violência é grande, mas segurança é problema dos Estados” a Dilma fala: “é problema meu também como presidenta”. Faz a mesma coisa na saúde, quando diz que vai implantar especialidades que hoje só encontramos nas Capitais e grandes cidades. Isso não é fazer promessa, o que todo mundo pode fazer. É ter postura de presidente.
PERGUNTA — Como isso chega num estado pobre, como o Piauí…
Faz uma diferença enorme. O Piauí tem ótimas redes de Saúde na Capital Teresina mas ela está falando de regiões como Parnaíba, Piripiri, Esperantina, Campo Maior, Picos, Floriano, São Raimundo Nonato, Bom Jesus, Uruçuí, Corrente. A proposta completa os avanços que tivemos com o ” Mais médicos”. Isso também vale para o projeto de abrir mais 12 milhões de vagas do PRONATEC. É isto que o Brasileiro e a Brasileira que vão votar querem saber.
PERGUNTA — Como ficam os eleitores de Marina no Nordeste?
O voto dado a Marina e a outros candidatos vai para a Dilma. Não tenho dúvida. Sabe por que? Porque o eleitor conhece o desprezo que os nossos adversários têm pelos nordestinos. Sabe que, nos governos anteriores, toda vez que se resolvia cortar um investimento, o primeiro sacrificado era o Nordeste. Outro elemento a favor da Dilma é a forma de votar. Sabemos que no primeiro turno muitos votos que foram “nulos” ou “brancos” no primeiro turno, na verdade foram votos errados. O voto para Presidente era a quinta decisão na urna e para muitas pessoas isso complicava o trabalho de votar. Agora é um número só. Pode esperar: no Nordeste, Norte, e cidades pequenas e periferia das grandes em todo o Brasil, vamos ter menos votos nulos e brancos e mais votos para Dilma. Nossa preocupação é com abstenção.
PERGUNTA — Por que esse apego do eleitor do Nordeste por Lula e Dilma?
Conheço um caso exemplar, que parece lenda mas é real. Há poucos dias, uma equipe da BBC de Londres, no Brasil, esteve no Piauí. O jornalista Efren Ribeiro, do Sistema Meio Norte, acompanhou os repórteres que vinham de fora. Ele assistiu a entrevista de um casal de trabalhadores rurais da comunidade de Contente, no Sul do Estado, no interior de Paulistana, no Semi-Árido. Eram dona Erismar Celestino Santos e seu esposo Francisco dos Santos Nascimento. Após muitas perguntas eles explicaram porque votaram no Lula e agora votam em Dilma. Contaram que antes passavam fome, que chegaram a conhecer pessoas que morreram de desnutrição. Falaram que antes não tinham casa e que hoje têm e que só agora, na comunidade, a população dispõe de água, energia, uma bela escola por perto. Antes iam para cidade num jegue e agora vão de moto ou automóvel, em estrada com asfalto. O repórter perguntou: “e se Dilma perder a eleição? E se o eleito para presidente for o candidato Aécio Neves? E João Fellet, jornalista da BBC Brasil, ouviu a resposta de dona Erismar Santos: “Oh moço, só de pensar já me deu uma dor no estômago”. “Já me deu uma dor no estômago” palavras de um ser humano que viveu o que eles e elas viveram, é muito profundo.
PERGUNTA — Dilma teve uma votação decepcionante em São Paulo…
Sim. Mas eu acredito que cresce em São Paulo, com a melhora da avaliação dela e, principalmente do prefeito da cidade de São Paulo, Fernando Hadad. Melhora em Minas onde ganhou do candidato Aécio Neves. Cresce no Rio de Janeiro onde tem o apoio dos dois candidatos no segundo Turno, Crivela e Pezão, e deve crescer alguma coisa no Espirito Santo onde tanto Dilma como Lula tem muitas obras e programas. Mas cresce no Sul, no Rio Grande do Sul onde Tarso Genro disputa bem o segundo turno e pode até quebrar a tradição gaúcha e ser reeleito pela força do trabalho integrado com a Presidenta Dilma, que o povo percebe, ela tem raízes no Rio Grande do Sul onde viveu boa parte de sua vida no Brasil. Outra novidade vai ser no Paraná, com a participação forte do ex governador Requião e Osmar Dias. Cresce muito no Nordeste e percebo que o voto de Marina Silva no norte, era um voto para alguém da Amazônia, menos para o PSB e agora a segunda opção é Dilma, do lado do ex presidente Lula. Por isto a visita dele prioritária para o norte, onde é muito querido e ajudando a quem está no segundo turno do nosso campo.
PERGUNTA — O apoio das oligarquias tem seu peso contra os adversários?

 Para o povo, oligarquia é “coisa ruim”, lembra o passado. Pela realidade anterior do Piauí , se nada tivesse acontecido nós teríamos 730 mil famílias dependentes do Bolsa Família. Temos 440 mil. Quase 300 mil deixaram a miséria e a pobreza também. Só no governo da Dilma fora, criados mais de 200 mil empregos novos com carteira assinada. Qual a cidade brasileira que mais ganha medalhas nas olimpíadas de matemática? Cocal dos Alves no Piauí. Qual a cidade brasileira que proporcionalmente tem mais doutores? Bom Jesus no Piauí. Entramos neste século com cerca de 400 mil pessoas com ensino médio e agora ultrapassamos de 1.200.000. O povo do Piauí e de cada estado brasileiro quer apenas oportunidade. E ser tratado com respeito, como cidadão brasileiro. Nada mais.
PERGUNTA — Os altos e baixos da Bolsa tem sido associados as altas e quedas da oposição nas pesquisas. Por que?
A verdade é que a crise mundial ainda é um fantasma rondando o Brasil e a união de especuladores, associados a lideres da oposição e meios de comunicação de grande peso na formação de opinião no Brasil, fazem indicadores econômicos subir e descer, ao sabor da jogatina. Quem for Ministro da Fazenda no Brasil no próximo governo precisa estar muito atento e melhorar mecanismos de investigação e controle dos crimes que praticam. Especulam com a Petrobrás de forma covarde, arrebentando um dos maiores patrimônios brasileiros sem dó nem piedade. A ELETROBRAS é outro alvo frequente. E criam um ambiente que influenciam na inflação e cambio. A deturpação de dados sobre a economia gera insegurança para investidores, pessoas físicas e jurídicas e, na minha modesta opinião é o que mais está tendo efeito eleitoral contra a presidenta Dilma. Mas a eleição passa. Vamos derrotar os especuladores de plantão, vamos derrotar o ódio, calunias e difamação. Eu derrotei tudo isto no Piauí, Rui Costa e Jaques Wagner fizera o mesmo na Bahia e agora é a Presidenta Dilma que pela vontade de Deus e do povo vai derrotar os que atacam os interesses maiores do Brasil.
PERGUNTA — A economia em geral tem sido um ponto frequente nas críticas da oposição. O senhor acompanha esse debate de perto. O que há de verdade e o que há de mentira nessa crítica?
Para a ampla maioria do povo a economia vai bem quando tem emprego, reajuste de salário, lucro no seu negócio, boa produção, e a inflação e o juro Estão sob controle. Na minha opinião, a subida da taxa SELIC que influencia o juro que o cidadão paga, subiu para casa de dois dígitos mais pela força dos especuladores que por regras da economia. A inflação tem um problema: regras fora do controle de qualquer governo permitem que energia, mensalidades escolares, contas de água e telefone subam de preço todo ano, criando parâmetro para reajuste de tudo. Alguma coisa precisa ser feita para sairmos desta “memória inflacionária” na casa de 4,5% a 6,5%. O que pensam que o povo esqueceu? Juros de 28% e Inflação de 12,5% ao ano foi isto que herdamos dele. Agora vai terminar dentro da meta de 6% a inflação.
PERGUNTA — Com o Congresso atual, como fica a reforma política?
O Congresso atual, do qual faço parte como Senador pelo Piauí, é de maioria conservadora. Ou seja resiste a mudanças fortes. Por isto não aprovamos a reforma política e eleitoral ou reforma fiscal. O próximo congresso será ainda mais conservador. Tem gente nova e tem parlamentares conhecidos, mas não será fácil aprovar as mudanças que o Brasil precisa. A presidenta Dilma sai da eleição com maioria na Câmara e no Senado, o que é importante para sustentação dos avanços que o Brasil deseja e ela se comprometeu na campanha. Mas insisto que as regras e sistema político eleitoral que vigora em 2014 são ruins e o congresso é resultado dele. São partidos que não tem peso enquanto direção, que assumem programas e prioridades partidárias que valem pouco ou nada, o que dá entender que ninguém presta, que é tudo igual, com eleições caras e regras que favorecem a força do dinheiro e, em consequência, a corrupção. É isto que a presidenta Dilma quer mudar. Veja que ela apresentou ao Congresso Nacional as duas principais reformas a Política e a Fiscal. Estão no Congresso. Temos que fazer da reforma política a reforma das reformas. Penso ser necessário dar ao povo o direito de escolher. Se o povo vai preferir o voto em lista ou misto ou voto distrital ou Distritão, teses defendidas na ordem pelo PT, PSDB e PMDB, como exemplo, vamos confiar ao povo a decisão após um amplo debate. E se não passar o voto em lista que o meu partido, o Partido dos Trabalhadores, defende? Eu prefiro confiar no poder do povo.
PERGUNTA — O que sua reeleição no Piauí pode ensinar aos brasileiros de outros estados?
Fui eleito pela terceira vez, as três vezes no primeiro turno. Sem comprar nenhum voto, numa campanha simples, fazendo caminhada de porta em porta, subindo em tamborete ou banco de praça ou numa calçada. Andei cerca de 1.700 km com minha vice governadora Margarete Coelho, nosso Senador Elmano Férrer, “o Vein Trabalhador” como é e ficou ainda mais conhecido. Quase não fizemos comícios ou carreatas, uma campanha simples e barata. Temos um bom projeto, que tem sido construído ao longo dos anos. O povo entendeu que é possível transformar o estado mais pobre do Brasil em 2002, o Piauí, em um Estado Desenvolvido no mais moderno conceito de desenvolvimento até o ano de 2025. Antes o que era um sonho está se tornando realidade. Que lugar do Brasil tinha 400 mil pessoas com ensino médio e saltou para 1.200.000? O Piauí. Que cidade brasileira é campeã de medalhas olímpicas de matemática? A pequenina Cocal dos Alves, com 5.000 habitantes no norte do Piauí? Que município tem proporcionalmente mais doutores no Brasil? Bom Jesus do Piauí. A educação para nós é o alicerce do desenvolvimento. Vamos completar nestes próximos quatro anos o ciclo completo da educação que já fizemos chegar a próximos de 80 Municípios, aos 224 Municípios. O que é isto? Uma cidade como Alegrete do Piauí com 5.000 habitantes ou Ribeiro Gonçalves de 6.000 ter o que antes só tinha em Brasilia ou São Paulo ou Teresina: da creche à pòs graduação. Ensino técnico e superior Presencial ou à distancia. Pergunte ao ex Ministro Fernando Haddad onde foi o piloto brasileiro de ensino à distancia e presencial? Piauí. Universidade Aberta do Brasil e E-TEC. A meta nossa é que quem nasceu no Piauí neste século tenha aos 25 anos, no mínimo 12 anos de estudo e agora vamos atualizar para 14 anos para quem iniciar em 2015. Quando deixei o governo, o Piauí já tinha o mais baixo índice de homicídios do Brasil, cerca de 8 para cada grupo de 100 mil pessoas. A situação piorou nos últimos anos mas vamos tomar medidas para combater a criminalidade. Mas vou investir muito em saúde, água potável, energia, segurança alimentar, cultura, esporte, lazer saudável. Queremos chegar a uma expectativa de vida acima de 75 anos, ou seja, de região desenvolvida. A minha geração tinha uma Expectativa de vida ao nascer de pouco mais de 50 anos. A dos meus filhos e de quem nasce hoje no Piauí já é de 70 anos, igual a do Nordeste. A do Brasil que é de 73 anos vai para mais de 75 no começo da próxima década e o Piauí chegará junto com o Brasil.
PERGUNTA – De que forma o esforço do governo federal para diminuir os desequilíbrios regionais beneficiou o Piauí?
Na economia saímos de um PIB nominal de R$ 7 bilhões ano para mais de R$ 30 bilhões ano. Qual é o estado brasileiro que hoje proporcionalmente tem mais empreendedores no Brasil? É o Piauí, conforme diz um certificado do SEBRAE nacional. Nossa renda per capita era tão baixa que mesmo crescendo muito ainda estamos empatados em ultimo lugar com o Maranhão e Alagoas. Era R$ 2.100,00. Passamos para mais de R$ 9.000,00. Mas vamos crescer numa velocidade maior. Investimentos e pesquisas apoiados pelo governo do Presidente Lula e Dilma lá atrás, nos permitem agora explorar gás e petróleo em terra e mar; ferro e outros minérios, energia hidrelétricas , eólicas, solar e biomassa, produção de frutas com irrigação, grãos etc. E a meta agora é chegar em 2025 com mais de R$ 75 bilhões de PIB com uma população de 3,3 milhões de habitantes. Uma renda per capita próxima da média brasileira. Vamos trabalhar muito para que Um índice de desenvolvimento humano que era em 2000 0,4 ou “muito baixo desenvolvimento” e deixei em 2010 próximo de 0,7 ou “médio desenvolvimento”, agora vamos chegar acima de 0,8 ou “muito desenvolvido” antes de 2025. Fui eleito com mais de 63% dos votos do Piauí, com um senador que teve 62%. Nossa presidenta Dilma obteve com 71%. Só me resta agradecer a Deus e ao povo e honrar esta confiança. Ouso dizer: trabalhar para melhorar a vida do povo com honestidade e cuidando com o amor de um pai ou uma mãe com a sua família vale a pena. O Piauí abraçou nosso projeto. Vou trabalhar muito para fazer deste sonho uma realidade.
Fonte: JL/por Paulo Moreira Leite

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

PESQUISA - IBOPE: Dilma dispara com 54%, e Aécio 46% dos votos válidos

Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos


Pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira (23) aponta os seguintes percentuais de votos válidos no segundo turno da corrida para a Presidência da República:

- Dilma Rousseff (PT): 54%- Aécio Neves (PSDB): 46%

Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.
A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal "O Estado de S. Paulo".
Votos totais
Se forem incluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, os votos totais da pesquisa estimulada são:
- Dilma Rousseff (PT): 49%
- Aécio Neves (PSDB): 41%
- Branco/nulo: 7%
- Não sabe/não respondeu: 3%
No levantamento anterior do instituto, divulgado no dia 15, Aécio tinha 51% e Dilma, 49%.
O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 203 municípios entre os dias 20 e 22 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de dois pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01168/2014.
Rejeição
O Ibope perguntou, independentemente da intenção de voto, em qual candidato o eleitor não votaria de jeito nenhum. Veja os números:
Aécio - 42%
Dilma - 36%
Expectativa de vitória
O Ibope também perguntou aos entrevistados quem eles acham que será o próximo presidente da República, independentemente da intenção de voto. Para 51%, Dilma sairá vitoriosa; 38% acreditam que Aécio ganhará; 10% não sabem ou não responderam.
1º turno
No primeiro turno, Dilma teve 41

Pesquisa - IBOPE: Dilma aparecerá na frente pela primeira vez fora da margem de erro

Dilma Rousseff aparecerá na frente pela primeira vez numa pesquisa do Ibope

 A nova pesquisa presidencial do Ibope será divulgada daqui a pouco, às 18h, no site de O Estado de S. Paulo.

Dilma Rousseff aparecerá na frente pela primeira vez numa pesquisa do Ibope.
Mas, de modo diferente do Datafolha, que mostrou Dilma na liderança mas em situação de empate técnico quando considerados os votos válidos, no Ibope a petista estará na dianteira fora da margem de erro. É a primeira vez que isso acontece neste segundo turno.

Fonte: JL/Veja

EDCUAÇÃO - Escola pobre do interior do Piauí tem 153 medalhas em Olimpíada de Matemática

Após o sucesso na OBMEP, com 153 premiações até o momento, a escola começou a inscrever seus estudantes em outras olimpíadas, e já obteve êxito em competições de química, física, robótica, entre outras



A primeira vista, parece que uma coisa não combina com a outra. Cocal dos Alves, cidade do interior do Piauí, está entre as 30 cidades com o pior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do país. De 0 a 1, o município tem índice 0,498, na posição 5.535, entre 5.565 cidades.

Ao mesmo tempo, Cocal dos Alves possui uma das mais premiadas escolas públicas do país, campeã em diversas olimpíadas do conhecimento e com inúmeras aprovações em vestibulares de universidades públicas do Piauí. A escola de ensino médio Augustinho Brandão foi considerada a instituição estadual com a maior média no Enem 2012 em todo o Estado -- o resultado do Enem 2013 por escola ainda não foi divulgado.
Como pode uma escola pública ter tantos casos de sucesso em olimpíadas e vestibulares em um local tão carente e desprovido de ajuda? Assim como tudo nesta história, a resposta é ao mesmo tempo simples e um tanto complexa. No caso da escola Augustinho Brandão bastou juntar um grupo de professores cheios de vontade de mudar uma cruel realidade social.
"São 12 anos de estrada. Em 2003, éramos um grupo de jovens professores que simplesmente começou a trabalhar de maneira séria", explica a atual diretora da escola, Aurilene Vieira Brito.
Ao mesmo tempo que implantaram um trabalho intenso em sala de aula, eles foram atrás de qualificação e conhecimento para ensinar – e posteriormente cobrar – os alunos. Tudo isso, enquanto se viravam para lecionar em uma escola sem estrutura.
Em pouco tempo, os professores começaram a notar a diferença. É verdade que, com um ensino mais puxado, as cobranças também se intensificaram. No começo, alguns alunos chegaram até a cogitar desistir da escola, por causa da dificuldade. Mas, algo os motivou a continuar.
Dois anos depois da mudança de mentalidade e de metodologia, um dos professores decidiu inscrever alguns alunos da escola em uma competição de matemática, a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep).
"Nossos alunos arrebentaram. A Obmep serviu como avaliação do nosso trabalho. Um termômetro que nos mostrou que estávamos no caminho certo", afirma Aurilene.
O professor responsável pela aventura que acabou se tornando um dos maiores casos de sucesso de uma escola no país se chama Antonio Amaral. Quando conversou com a reportagem do UOL, ele estava no Rio de Janeiro, gravando um vídeo de resoluções da última prova da Obmep, a convite da organização da olimpíada. 
"Todos os anos, conseguimos premiar quase todos os alunos que participam da Obmep. Mais do que menções honrosas e medalhas de bronze, que mostram que estamos entre as melhores escolas do Piauí, já conquistamos também várias medalhas de prata e ouro, o que prova que nossos estudantes conseguem competir com outros de escolas de todo o país", disse Amaral.
Após o sucesso na OBMEP, com 153 premiações até o momento, a escola começou a inscrever seus estudantes em outras olimpíadas, e já obteve êxito em competições de química, física, robótica, entre outras.

Segundo Aurilene, toda esta dedicação dos professores e alunos é pouco recompensada pelo Estado. A preparação para as olimpíadas é feita "na raça", depois do horário de aula, por professores que não recebem nem um centavo a mais para isso.
"Nós preparamos aulas extras nos finais de semana que antecedem as olimpíadas para treinar os alunos. Até o lanche que servimos sai do nosso bolso. Se tem resultado, é porque damos a cara a tapa. De cima para baixo, nada acontece", desabafou.
Vestibular
Apesar do ótimo desempenho na Obmep, o maior motivo de orgulho da escola é o bom resultado em vestibulares.
Os vestibulandos da Augustinho Brandão têm entre 70 e 80% de aprovação. Em 2010, segundo a diretora, todos os alunos que prestaram vestibular passaram. Até hoje, três estudantes foram aprovados no curso de medicina. O sucesso é tanto que, em Teresina, capital do Estado, existe uma república de estudantes formada somente de ex-alunos do colégio de Cocal dos Alves.
São esses estudantes que saem para estudar na capital que incentivam quem está entrando agora a se dedicar no ensino médio. São eles, também, que estão começando a mudar o panorama de pobreza do município.
"O psicólogo e o fisioterapeuta da cidade são ex-alunos nossos. Esses profissionais viram exemplos para quem está agora na escola. Mesmo quem ainda não se formou, mas está em um curso de ponta, já é visto como alguém que mudou de vida na cidade. Alguém que ascendeu socialmente", contou o professor Amaral.
Antigamente, o grande objetivo dos estudantes de Cocal dos Alves era se formar no ensino médio para tentar a vida no Rio de Janeiro. Agora, os jovens almejam ir para a capital do Estado se formar para, depois, retornarem à cidade natal em busca de melhorar a vida da população, contam os professores.
"Um de nossos orgulhos é um estudante que está no oitavo semestre de engenharia civil na UFPI [Universidade Federal do Piauí], em Teresina. Ele era um aluno bom, dedicado, mas extremamente carente. Só recentemente, sua casa recebeu luz elétrica graças a um programa do governo federal", disse Amaral.

Fonte: JL/Uol

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Novo governo denuncia saque indevido de fundo



Merlong Solano denunciou ontem na Assembleia Legislativa suposto rombo no Fundo Previdenciário do Estado

O Partido do Trabalhadores e a equipe de transição do governador eleito Wellington Dias estão estudando que medidas podem adotar para tentar anular ato da Assembleia Legislativa que permitiu ao Governo do Estado sacar recursos da Previdência Social e deixar de pagar aposentadorias e pensões dos servidores públicos estaduais. A informação foi dada ontem pelo deputado estadual Merlong Solano, ao denunciar na Assembleia Legislativa saques irregulares de R$ 90 milhões do Fundo Previdenciário do Estado.
O dinheiro do fundo é destinado ao pagamento de aposentadorias e pensões dos servidores do Estado. Segundo o deputado, a Assembleia Legislativa ainda autorizou ao governo deixar de pagar o fundo por três meses - outubro, novembro e dezembro. O PT quer anular os atos da Assembleia que autorizaram o governo a deixar de complementar o fundo previdenciário, alegando irregularidade na votação e o descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que proíbe um governo deixar contas a pagar para o sucessor. Ele fala ainda de fraude processual no Legislativo.
O projeto de lei da Assembleia foi aprovado em 6 de outubro passado. Segundo Merlong Solano, o Estado tem que complementar mensalmente o fundo previdenciário, que é composto pela arrecadação da contribuição do desconto feito nos contracheques dos servidores e dois terços da contribuição patronal, feita por parte do governo. "Se os recursos são insuficientes, os valores têm que ser assumidos pelo Estado, está na lei, os valores não cobertos a cada mês pelo tesouro estadual. Mas um projeto de lei, aprovado aqui na Assembleia, de forma irresponsável, permite que o governo atual transfira para o próximo governo o pagamento de todas as pendências atrasadas desde 2005 até dezembro deste ano", afirmou Merlong Solano.
De acordo com o deputado petista, o Estado fez empréstimo de R$ 180 milhões ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para capitalizar o Fundo Previdenciário, recebeu a primeira parcela R$ 90 milhões mas o dinheiro estaria sendo utilizado com outra finalidade. "O governo está descapitalizando o fundo e não está pagando as insuficiências mensais, transferindo para o próximo governo esta obrigação", explicou Merlong.
O deputado frisou que a equipe de transição está preocupada porque o governo estaria criando dificuldades para o futuro e descumprindo a LRF, transferindo obrigações sem deixar recursos em caixa. "O próximo governo vai ter que gastar duas vezes mais, porque vai herdar este valor dos três últimos meses e pagar a insuficiência de cada mês", observou.
O deputado também responsabilizou a Assembleia Legislativa e os deputados que, segundo ele, realizaram reunião conjunta da Comissão de Constituição e Justiça e de Fiscalização, para aprovar o projeto. "Houve fraude. Teve suplente que votou junto com o titular, o que é proibido. O projeto é inconstitucional, fere o regimento interno e a LRF. Tem uma série de irregularidades cometidas na aprovação do Projeto de Lei nº 47/2014, de 6 de outubro de 2014, que tenta legalizar o desvio de recursos do Fundo de Capitalização do Sistema de Previdência do Estado do Piauí", explicou.

ELEIÇÕES - Na reta final, Lula 'ressurge' como trunfo para 'salvar' Dilma

Depois de aparições bem dosadas até aqui e de certa forma separadas dos eventos principais, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou com força na reta final da campanha da presidente Dilma Rousseff

O ex-presidente intensificou sua participação na campanha de Dilma Rousseff a partir do segundo turno
Associação de Lula com Dilma é alardeada até em "santinhos" de campanha, como adesivos
 
A
usente no pronunciamento de Dilma em Brasília após o primeiro turno, o "padrinho eleitoral" pôs o pé na estrada e voltou aos palanques.
Depois de fazer campanha em Belo Horizonte na semana passada com um discurso acirrado criticando o candidato do PSDB, Aécio Neves, justamente no domicílio eleitoral deste, na terça-feira, Lula investiu seu capital político onde é mais forte – seu estado natal no Nordeste.
O ex-presidente acompanhou Dilma em três visitas a Pernambuco, um colégio cujo voto ainda está dividido após a morte de Eduardo Campos e a saída de cena de Marina Silva – e com o PSB agora encampando a campanha de Aécio.
Pernambuco foi o único Estado nordestino em que Dilma não venceu no primeiro turno - Marina ficou em primeiro lugar, com 48% dos votos, contra 44% dados a Dilma, e 5,9%, a Aécio.
Enquanto o partido de Campos busca usar sua influência no Estado em favor do candidato do PSDB, Lula entre em cena pessoalmente para dar peso à campanha de Dilma.
Lula e Dilma começaram o dia em Petrolina, onde a presidente falou sobre os programas do PT para enfrentar as secas, e seguiu para Goiana, onde visitou a nova fábrica da Fiat – que está sendo construída após acordo firmado no governo Lula.
O dia terminou com uma grande caminhada, que levou pelo menos 30 mil pessoas para o centro histórico do Recife, segundo estimativas da campanha, seguindo o carro de som que levava Dilma, Lula e o séquito de políticos que os acompanhavam.
Há duas semanas, uma pesquisa do Datafolha afirmou que o ex-presidente é o "padrinho" com o maior potencial de transmissão de votos em comparação com outro ex-presidente, Fernando Henrique Cardoso, "cardeal" do PSDB.
 
E uma prova do carisma de Lula foi dada em Goiana: em seu comício na cidade, ele foi apresentado como presidente pelo mestre de cerimônias e recebido calorosamente pelas milhares de pessoas que esperaram mais de duas horas pelo início do evento.
Ao começar o seu discurso, foi interrompido por um corinho de "olê, olê-olê, olá, Lu-lá, Lu-lá".
 
Moradores de Goiana assistem a comício de Lula e Dilma
 Jussara: "As pessoas aqui no Nordeste confiam mais no Lula que na presidente"
O prestígio do ex-presidente Lula no Nordeste transformou até um caranguejo em cabo eleitoral
Prestígio transmitido
Percussionista da Nação Zumbi, o músico Gilmar Bola 8 marcou presença no ato e disse considera a entrada de Lula nessa reta final decisiva diante do atual cenário acirrado.
"As pessoas aqui confiam mais no Lula do que na presidente. Ele fala a linguagem do povo e o povo escuta o que ele fala", disse.
Para Jussara de Albuquerque, que acompanhava o comício de longe, numa cadeira na calçada, há um forte sentimento de gratidão ao ex-presidente no Nordeste, região que concentrou os investimentos em programas sociais nos dois mandatos de Lula (2003-2010) e nos quatro anos de governo Dilma.
"O Lula é como um pai para a população do Nordeste", diz Jussara, professora da rede pública estadual.
"O povo daqui deve muito a ele, e Dilma está conseguindo tudo isso por causa do Lula."
Ao lado de Jussara, Sandra Cavalcanti, auxiliar de serviços gerais, não poderia destoar mais da amiga em termos de intenção de voto.
"Sou Aécio", dizia ela, que parecia uma exceção na rua principal de Goiana onde a maioria dos passantes se dirigia ao palco armado para o comício levando bandeiras do PT ou vestidas de vermelho.
"Olhando assim parece que todo mundo aqui é PT, mas a cidade está dividida", disse Sandra.
"Só que o povo adora uma festa, então está todo mundo aqui. Só quero ver como é que vão votar no domingo."
Observando o comício, o coordenador local da campanha de Aécio, Francisco Corrêa, imagina que uma maioria para Dilma no Nordeste seja inevitável no segundo turno, mas diz que a campanha espera chegar a um patamar mais equilibrado em comparação com o primeiro turno, quando Dilma concentrou quase 60% dos votos.
O candidato do PSDB visitou o Estado logo após o primeiro turno e visitou a família de Eduardo Campos, recebendo seu apoio oficial.
Corrêa lembrou que Lula teve uma parceria muito forte com Campos quando este era governador de Pernambuco, e isso abriu caminho para muitas parcerias e investimentos para o Estado.
"Isso com certeza terá um peso para os pernambucanos", disse.
"Mas esperamos que quem deseje mudança consiga fazer uma separação."
Um dos investimentos fruto dessa parceria é a fábrica da Fiat, motivo para o comício passar por Goiana, que tem cerca de 80 mil habitantes.
Em seu discurso, Lula destacou os empregos que a fábrica, prevista para operar a partir do início do ano que vem, vai gerar.
Ele e Dilma ressaltaram os avanços no Nordeste, com o aumento de investimentos na região.
"Os nordestinos conquistaram o direito de andar de cabeça erguida", discursou Lula.
"Provaram que não nasceram para ser pedreiro nem ir ser construtor de ponte lá em São Paulo."
A estudante de direito Andrezza Caroline Albuquerque, de 19 anos, acompanhava tudo com a família na porta de casa, bem em frente ao local do comício.
Ela disse ter votado em Marina no primeiro turno, mas agora está apoiando Dilma por considerar que as políticas do PT trazem mais oportunidade às classes menos favorecidas. Mas a estudante acha que a presença de Lula dará mais chances a Dilma.
"Quem segura ela aqui (em Pernambuco) é o Lula. Ela não tem muito carisma para atrair as pessoas. Já o Lula, as pessoas se identificam muito com ele", diz. "Nessa reta final, ele veio para chamar o povo para a rua."
Coincidência ou não, as primeiras pesquisas mostrando Dilma à frente de Aécio surgiram justamente depois da intensificação da participação de Lula na campanha.
Fonte: JL/BBCBrasil

Aécio 'não é homem sério e de respeito', afirma Lula em Pernambuco

ANIEL CARVALHO- Folha de São Paulo

"Eu fico incomodado quando eu vejo, num debate da televisão, o adversário ficar ofendendo a presidente, ficar dizendo que ela é leviana, ficar chamando de mentirosa. Só pode fazer isso alguém que não aprendeu a educação no berço."
Ao lado de Dilma, num palanque armado na cidade, Lula prosseguiu o ataque: "Porque um homem de respeito, um homem sério, um homem que quer governar este país, diante da presidenta da República, ele tem que respeitar."
"Agora eu ficou me perguntando: será que ele teria coragem de fazer as grosserias que ele faz com você se fosse um homem [candidato]?"
     
Lula e Dilma durante encontro com intelectuais no TUCA, em SP
 
Segundo Lula, Dilma jamais se amedrontaria diante de Aécio num debate porque "ela já ficou na frente de torturador", numa referência ao período em que a petista foi presa e torturada por agentes da ditadura militar.
Dilma agora se acostumou a fazer comícios de campanha, segundo Lula. "A bichinha agora adora um comício. Ela, se podia, fazia um por dia", disse o ex-presidente.
Para Lula, a presidente, candidata à reeleição, está "matando os tucanos de inveja" por ter reunido na manhã desta terça milhares de moradores de Petrolina (PE) e de Juazeiro (BA) num mesmo evento na cidade pernambucana.
A diferença da petista, segundo Lula, é que Dilma levou água para o Nordeste, ao construir milhares de cisternas, enquanto "o governador de São Paulo [Geraldo Alckmin], que é tucano, está deixando faltar água" no Estado.
A cada ataques aos tucanos os presentes gritavam e aplaudiam o petista.
Lula também criticou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, ao lembrar entrevista na qual o tucano disse que o PT está "fincado nos menos informados". "Temos que dizer para este senhor e para outros senhores que acreditam que a gente não tem formação, que a gente tem tanta formação, que a gente resolveu nunca mais votar num tucano para governar o nosso país."
Antes de entregar o microfone à presidente, fez um pedido: "Vocês têm obrigação de me dar de presente a eleição da Dilma porque eu faço aniversário na segunda-feira".
Dilma falou a seguir e disse que seus adversários "vestiram pele de cordeiro" para esconder seus preconceitos com o Brasil.
"Eles olham para o Nordeste e não veem a imensa força desse povo."
E, ao final, pediu as presentes a combater o que chamou de "mentiras" dos tucanos na campanha eleitoral.
"Não vamos deixar o Brasil voltar pra trás. O nosso rumo é pra frente, mais mudança, mais futuro, mais crescimento para todos nós. Vão pra ruas, debatem, deem os argumentos para que nós possamos combater coma verdade as mentiras que eles propagam", disse, até ser interrompida por gritos de "Dilma guerreira, do povo brasileiro".

DENÚNCIA - Governo Zé Filho quer transferir 'rombo' de R$ 90 milhões para governo Wellington Dias

A lei, de acordo com Merlong, vai transferir para o próximo governo a obrigação de recapitalizar o Fundo de Previdência dos Servidores do Piauí, parcelando em 36 meses, a partir de 2015, os valores não depositados

 
 O deputado estadual Merlong Solano (PT) denunciou nesta terça-feira (21) supostas irregularidades do Governo do Estado em relação a Lei de Responsabilidade Fiscal e o Fundo de Previdência dos Servidores do Piauí. O parlamentar afirmou que uma lei foi aprovada sem cumprir o regimento da Assembleia Legislativa e irá transferir para o próximo governo gastos que deveriam ser pagos na gestão atual, do governador Zé Filho (PMDB).

"Tratei no meu discurso o descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal pelo Governo do Estado, quando o mesmo descapitalizou o Fundo de Previdência dos Servidores do Piauí, sacando o dinheiro da operação de crédito do BNDES, na ordem de R$ 90 milhões. Ao invés de pagarem todo mês primeiro a insuficiência com recurso da fonte 00, como determina a lei, estavam pagando com recursos da fonte 16, retirando a poupança que o fundo tem que ter para dar segurança ao seu cálculo", denunciou o deputado.
A lei, de acordo com Merlong, vai transferir para o próximo governo a obrigação de recapitalizar o Fundo de Previdência dos Servidores do Piauí, parcelando em 36 meses, a partir de 2015, os valores não depositados.
Supostos erros na Assembleia
A denúncia diz respeito ao projeto de lei número 47 e a forma a tramitação ocorreu. "Eu reclamei do processo, pois ele foi votado de maneira rápida e descumprindo o regimento interno da Alepi. Essa é uma tentativa de transferir para o próximo governo os gastos do atual, desrespeitando a Lei de Responsabilidade Fiscal. A aprovação pode ser anulada e teremos amanhã uma audiência com o Ministério Público para trazê-lo para o debate", afirmou Merlong Solano.
O processo teria tramitado em reunião conjunta das comissões de Constituição e Justiça, Fiscalização e Controle, e Finanças e Tributação. Tal reunião não teria sido convocada em plenário e seus membros não comunicados e/ou convocados para a mesma. Também são contestados a falta de quórum e o voto do deputado João Mádison, que é suplente de Mauro Tapety (os votos dos dois teriam sido computados). O projeto ainda estaria sem assinatura do primeiro e segundo secretários, os deputados Fábio Novo (PT) e Hélio Isaías (PTB), ambos da oposição.
Resposta do Governo
O deputado estadual João Mádison (PMDB) disse que a lei é legal. "Os atos do atual governo devem ser respeitados, embora o débito não tenha sido adquirido no governo de Zé Filho. Se os deputados do PT não estavam no plenário e não participaram das reuniões, não deveriam estar aqui para questionar a lei e dizer que ela é irregular. Acho muita arrogância deles, porque agora estão querendo mandar em tudo, no Piauí e no Brasil todo".

Fonte: JL/Cidade Verde

PRECONCEITO - Colunista de SP é afastado de jornal por atacar pobres e nordestinos do PI, AL e MA

Jornal O Diário de Mogi, do município de Mogi das Cruzes, na região metropolitana de São Paulo, afastou o colunista social Anderson Magalhães depois de ter publicado coluna em que idealiza que Alagoas, Piauí e Maranhão fiquem de "fora do cenário eleitoral por falta de fórum privilegiado", que Salvador só viva de dendê e cocada e que os pernambucanos sobrevivam apenas com a renda do Bolsa Família

 
O
colunista social Anderson Magalhães foi afastado do jornal O Diário de Mogi, do município de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, depois de ter publicado uma coluna defendendo voto contra o PT e ofendendo nordestinos, pobres e empregadas domésticas na edição nº 15 da revista Actual Magazine, que circula na região.
Em seu texto, intitulado "Desespero", ele prega voto contra o PT no próximo domingo 26, sugere "trancar nossas 'secretárias do lar' em casa, interditar as casas de forró e proibir os porteiros de saírem dos prédios". Defende que Salvador viva apenas do que produz: dendê, cocada e Luiz Caldas. E que os pernambucanos sejam sustentados apenas de R$ 97 do Bolsa Família e dos direitos autorais de "Morena Tropicana", música de Alceu Valença.
O colunista idealiza ainda que os estados nordestinos de Alagoas, Piauí e Maranhão fiquem de fora do cenário eleitoral "por falta de fórum privilegiado" e que o voto desses estados só seja validado caso a população formule "uma frase inteira sem erros de concordância e com todos os plurais". Esquece, porém, de colocar plural em uma frase da própria coluna, quando pede que "Dilma e sua corja perca seus votos" - quando o correto seria "percam".
Depois da publicação da coluna, Magalhães publicou em suas redes sociais que havia sido "mal interpretado" e que sua intenção era apenas a de ser "irônico". Em comunicado publicado nesta terça-feira 21, o jornal afirma que "discorda totalmente das opiniões emitidas pelo colunista", informa não ter responsabilidade pelo conteúdo veiculado na revista e diz que Anderson Magalhães "não é mais colunista deste jornal", onde assinava a coluna "Beatz".
Em artigo anterior, também na Actual Magazine, o colunista já havia manifestado seu mal estar com os brasileiros que passaram a andar de avião. "E tudo isso começou quando Lula e sua equipe — todos muito acostumados a andar de ônibus desde os tempos de calango — chegaram ao poder", escreve, saudosista: "Foi-se o tempo que bastava apenas chegar ao guichê, comprar a passagem e embarcar...". O cenário atual, para ele, é um terror: "Hoje é gente brotando dos ralos e carregando aquelas sacolas plásticas lotadas de cacarecos comprados em camelô e nos mercados de genéricos. O Brasil virou uma grande loja de R$ 1,99. Pelo menos é o que eu vejo nos aeroportos".

Fonte: JL/247

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Homem paralisado volta a andar após transplante de células do nariz

Darek Fidyka ficou paralisado após ser esfaqueado várias vezes em 2010 e não apresentava sinais de recuperação; tratamento é inédito no mundo
Darek Fidyka voltou a andar após receber transplante de células olfativas. (Foto: BBC) 

Um homem paralisado conseguiu andar novamente após um tratamento inovador que envolveu o transplante de células de sua cavidade nasal para a medula espinhal.

Darek Fidyka, de 40 anos, ficou paralisado do peito para baixo após ser esfaqueado várias vezes em 2010. Agora, ele pode andar usando um andador. Ele também recuperou algumas funções da bexiga e intestino e funções sexuais.

Antes do tratamento, Fidyka estava paralisado havia quase dois anos e não mostrava nenhum sinal de recuperação, apesar de meses de fisioterapia intensiva. Ele disse que andar novamente foi "uma sensação incrível".

"Quando você não pode sentir quase metade do seu corpo, você é impotente, mas quando ele começa a voltar, é como se você tivesse nascido de novo".

O tratamento, inédito no mundo, foi realizado por cirurgiões poloneses em colaboração com cientistas em Londres. Detalhes da pesquisa foram divulgados na publicação científica Cell Transplantation.

O programa de TV Panorama, da BBC, teve acesso exclusivo ao projeto e passou um ano acompanhando a reabilitação do paciente.

O chefe de regeneração neural do Instituto de Neurologia da Universidade College, de Londres, liderou a equipe de pesquisadores. Ele disse que o resultado é "mais impressionante do que o homem andar na lua".

Como foi

O tratamento utilizou células especiais que fazem parte do sentido do olfato (OECs, na sigla em inglês). Elas agem como células de direção, que permitem que as fibras nervosas do sistema olfativo sejam continuamente renovadas.

Na primeira de duas operações, os cirurgiões removeram um dos bulbos olfativos do paciente e as células cresceram em cultura. Duas semanas depois, eles transplantaram as células para a medula espinhal, que tinha sido reduzida a uma pequena faixa de tecido, à direita.

Eles tinham apenas uma pequena porção de material para trabalhar - cerca de 500 mil células. Cerca de 100 microinjeções de células olfativas foram feitas acima e abaixo da lesão.

Quatro tiras finas de tecido nervoso foram tiradas do tornozelo do paciente e colocadas através de uma lacuna de 8mm no lado esquerdo da medula espinhal.

Os cientistas acreditam que as células olfativas forneceram uma direção, permitindo que as fibras acima e abaixo da lesão se reconectassem, usando os enxertos de nervos para preencher a lacuna na medula espinhal.

Fidyka mantém o programa de exercícios que já realizava antes do transplante - cinco horas por dia, cinco dias por semana. Ele notou pela primeira vez que o tratamento havia sido bem sucedido após cerca de três meses, quando sua coxa esquerda começou a desenvolver músculos.

Seis meses depois, ele foi capaz de tentar dar seus primeiros passos com a ajuda de barras paralelas, usando muletas e com o apoio de um fisioterapeuta. Dois anos após o tratamento, ele agora pode andar fora do centro de reabilitação utilizando um andador.

O neurocirurgião Pawel Tabakow, consultor no Hospital Universitário de Wroclaw, que liderou a equipe de pesquisa polonesa, disse: "É incrível ver como a regeneração da medula espinhal, algo que era considerado impossível por muitos anos, está se tornando uma realidade".

Fidyka ainda se cansa rapidamente ao caminhar, mas disse: "Eu acho que é realista que um dia irei me tornar independente".

"O que eu aprendi é que você nunca deve desistir, mas continuar lutando, porque alguma porta se abrirá na vida".

Um fator determinante para o sucesso do procedimento em Fidyka foi que os cientistas puderam usar céulas do bulbo olfatório do paciente. Isso significa que não havia perigo de rejeição, por isso não houve a necessidade de medicamentos imunossupressores usados em transplantes convencionais.

A maior parte da reparação de medula espinhal de Fidyka ocorreu no lado esquerdo, onde havia uma lacuna de 8mm. Desde então, ele recuperou massa muscular e movimento principalmente nesse lado.

Os cientistas acreditam que esta é uma evidência de que a recuperação se deve à regeneração, já que sinais do cérebro que controlam os músculos da perna esquerda viajam para baixo pelo lado esquerdo da medula espinhal.

Exames mostraram que a lacuna na medula espinhal fechou-se após o tratamento.

Homem é preso com quase 500 pinos de crack e dois quilos de maconha

Homem foi preso após a polícia receber uma ligação anônima em Oeiras.
Suspeito já tinha passagem pela polícia pela Lei Maria da Penha.

Ellyo Teixeira Do G1 PI 
Foram apreendidas armas e drogas em grande quantidade (Foto: Lameck Valentim/MuraldaVila) 

Um homem de 21 anos foi preso pela Polícia Civil na cidade de Oeiras, a 313 km ao Sul de Teresina, suspeitos de ser um dos maiores traficantes da região. De acordo com o delegado Genival Vilela, o homem foi preso nesta terça-feira(21) após a polícia receber uma ligação anônima informando que ele chegaria a cidade com uma grande quantidade de entorpecente.
Polícia apreendeu quase 500 pinos de droga (Foto:
Lameck Valentim/MuraldaVila)

“Nós fizemos uma pequena reunião com a equipe de investigadores e montamos uma campana na tentativa de identificar e prender o suspeito. Uma das nossas equipes que estava fazendo barreira próxima à cidade de Colônia fez a abordagem, que tentou reagir e fugir”, disse.

O delegado afirmou ainda que após ter sido a prisão do suspeito, os policiais encontraram no veículo que o homem andava dois quilos de maconha prensada, além de R$ 115 e um uma ferramenta, que serve para moer a maconha.

A caminho da delegacia, os policia receberam outra informação que o homem também possuía uma quantidade maior em sua residência. “Ao chegar ao local, foram encontrados, 465 pinos de crack de tamanhos diversos, 22 gramas de maconha, além de uma balança de precisão, dinheiro, sacos plásticos para embalar a droga e celulares. Foi encontrado ainda um pó que estava escondido em uma camisa que será periciado para identificá-lo se é ou não cocaína”, revelou o delegado.

O suspeito já tinha passagem pela polícia e respondia criminalmente pela Lei Maria da Penha. Ele foi autuado em flagrante por tráfico de drogas, e o inquérito será encaminhado a Justiça.

Gian nega que briga tenha sido motivo de fim da dupla: 'Foi financeiro'

'Ele deve pensar que ganha cinco agora e vai passar a ganhar dez', disse o sertanejo sobre o irmão Giovani.
Gian (Foto: Reprodução / Youtube) 

Para tristeza dos fãs da dupla Gian e Giovani parece que a parceria entre os irmãos chegou mesmo ao fim e dificilmente terá volta. Na semana passada Giovani respondeu a um fã que questionou sobre uma possível retomada da dupla em seu perfil no Instagram explicando que a parceria chegou ao fim por conta de uma briga dos dois em que ele teria sido atacado por Gian levando socos e pontapés. A coluna de Fabíola Reipert publicou um print do comentário do sertanejo. Procurada, a assessoria de imprensa da dupla negou o episódio e alegou que o perfil atribuído a Giovani era falso. Entretanto, nesta terça-feira, 21, Gian conversou com o EGO e esclareceu o episódio.

"Não é verdade (que a dupla terminou por conta da briga). Esse assunto está morto e enterrado. O motivo pelo qual ele está querendo desfazer a dupla é muito mais por questões profissionais e financeiras, do que ele acha melhor para ele, do que qualquer outra coisa. O que houve nem foi briga, foi uma reação. Quando fui passar por ele no ônibus ele estava no caminho. Na segunda vez que passei ele levantou o cotovelo e eu reagi. Durou pouco tempo. Foi uma reação e só. Não foi uma briga longa. Não foi nada disso", minimizou o cantor.

De acordo com Gian, depois do desentendimento eles fizeram as pazes. "Isso para mim está encerrado. Passaram uns quatro ou cinco dias, eu conversei com ele e pedi perdão. Disse que me senti mal e que não queria ter reagido daquela forma. Não pedi perdão só uma vez não, pedi duas vezes. Na ocasião eu chorei, ele chorou. Nunca na vida tinha sequer discutido com meu irmão", afirmou ele, que disse que a desavença aconteceu há sete ou oito meses.

Gian negou que tenha dado socos e pontapés em Giovani. "Não tem nada de soco, pontapé. Eu reagi com um soco que nem pegou nele e depois segurei ele por uns 20 ou 30 segundos, daí tudo parou. Não sei porque ele coloca como soco e pontapé... E se já acabou o Gian e Giovani achei que esse assunto também tinha acabado. Ele deve estar sendo cobrado pelos fãs e quer dar uma justificativa, daí fala isso", comentou.
Gian e Giovani (Foto: Divulgação/Divulgação) 

Questionado se não há chance de a dupla retomar o trabalho, foi enfático: "Não tem porque ele não quer. Ele deve pensar que ganha cinco agora e vai passar a ganhar dez. Deve ser mais interessante para ele. Há quatro anos ele vem tentando fazer isso. A gente senta, conversa, o empresário fala, eu argumento e daqui a pouco ele volta nisso. Há muito tempo ele quer seguir a carreira solo e é uma opção dele. Se tivesse a ver com a briga ele não teria tentado fazer isso há dois ou três anos. Ele quer experimentar isso e talvez tenha que viver essa experiência para não ficar na dúvida do que poderia ter sido", disse ele conformado.

"Já esgotei a minha cota de argumentos com ele. Teve um ano que chegamos a decidir que era o encerramento da dupla apesar de não divulgarmos isso, mas ele mesmo desistiu. Depois em outra ocasião ele anunciou o fim da dupla para todos os contratantes e não foi para a frente. Aí dessa vez ele nem falou comigo e botou direto no Instagram dele. Fiquei sabendo mais pela imprensa e amigos que vieram me perguntar. Me mostraram o print das coisas que ele publicou. Agora eu tenho é que pensar no meu futuro que ainda não está definido", contou Gian.

Foi com o violão de Francisco, pai dos dois, que Gian e Giovani começaram a ter contato com a música. Também foi Francisco quem percebeu o talento dos filhos e se tornou grande incentivador para que eles começassem a tocar profissionalmente. Questionado sobre como o pai recebeu a notícia, comentou: "Conversei bem pouco com ele. Chegou num ponto que ele só quer que a gente fique em paz. Se a gente ficar em paz está bom".
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...