sexta-feira, 22 de julho de 2016

Termina a greve dos motoristas e cobradores de ônibus de Teresina

A segunda parcela do acordo será efetuado até as 18h de hoje. Mais de 200 mil usuários foram prejudicados com a paralisação

A
pós reunião entre empresários e representantes do Sindicato dos Trabalhadores de Empresas de Transportes Rodoviários (Sintetro), motoristas e cobradores decidiram voltar ao trabalho no início da tarde desta quinta-feira (21) e pôr fim à greve. A paralisação da categoria pegou de surpresa mais de 200 mil passageiros durante a manhã.
De acordo com o presidente do Sintetro Fernando Feijão, os empresários concordaram em pagar a segunda parcela do acordo firmado em janeiro deste ano.
"Os pagamentos serão feitos até as 18h de hoje. O que queremos agora é que o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) faça a mediação entre o Sintetro, a Prefeitura de Teresina e o Setut para que esse problema não aconteça novamente. Sabemos do transtorno, mas pedimos também a compreensão dos passageiros", falou Fernando Feijão.
Durante toda a manhã, muitos trabalhadores do sistema de transporte público de Teresina estavam de braços cruzados. Enquanto nas paradas de ônibus, passageiros esperaram mais de uma hora pelo ônibus. A reclamação é de que os 30% exigido por lei não estava circulando.
A Prefeitura de Teresina informou por meio de nota, que tem honrado todos os compromissos com o sistema de transporte público e que a pendência financeira alegada pela categoria não ultrapassou 24 horas, conforme acordo firmado com os concessionários.

A nota também diz que a administração municipal pagou ainda na manhã desta quinta-feira, o valor de R$ 610.388, 21 e que a justificativa de não pagamento dos salários dos trabalhadores que operam no sistema por atraso no repasse não se sustenta, tendo em vista que o sistema arrecada R$ 10 milhões por mês.



Fonte: JL/G1PI

CNJ determina afastamento de interina de cartório em Teresina

Para Corregedoria, determinação reafirma intervenção do TJ no cartório. Advogada de interina afastada diz que decisão do CNJ já nasce morta

E
continua a novela sobre o cartório Naila Bucar. Desta vez, Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou o afastamento da interina Lysia Bucar e a continuidade da intervenção realizada pelo Tribunal de Justiça do Piauí. Para a Corregedoria do TJ, essa determinação do CNJ vem reafirmar que o local continua sob interferência do tribunal. Já a defesa da interina afirma que ato do conselho não tem validade.
Vale ressaltar que a manifestação do CNJ é um ato administrativo e que não se sobrepõe à liminar concedida pelo TJ-PI que manda o retorno de Lysia Bucar Lopes de Sousa como interina do Cartório do 2º Ofício de Notas e Registro de Imóveis deTeresina bem como a suspensão da instalação de outros três cartórios de imóveis.
Entretanto, no entendimento da Corregedoria, o que mantém a intervenção é a decisão da 1ª Vara Criminal de Teresina, que bloqueou os bens dos titulares do 2º Cartório Ofício no fim do mês de junho e determinou também o afastamento de Lysia.
Para o advogado de Lysia Bucar, Cleanto Jales, o ato do CNJ não vai alterar nada e não tem validade. “Essa e uma decisão que já nasce morta, primeiro porque um ato administrativo não se sobrepõe sobre uma decisão judicial. Depois, ela foi baseada no ato da Corregedoria do TJ e a liminar do desembargador Paes Landim anulou qualquer parecer baseado nisso. Estamos esperando a publicação dessa liminar para saber o que a Corregedoria vai fazer o deixar de fazer", disse para oG1.
Na decisão do CNJ, a ministra Nancy Andrighi argumentou que Lysia Bucar descumpriu a falta de arquivamento na sede da serventia dos livros obrigatórios (Livro Diário Auxiliar de Receitas e Despesas, Livro Caixa e Livro de Depósito Prévio). Para a ministra, tal falta é “motivo determinante para o afastamento de qualquer interino”.

“Os livros obrigatórios contribuem para o acompanhamento e a fiscalização das serventias extrajudiciais pelo Poder Judiciário, e sua falta de depósito na serventia, bem como a falta de apresentação pela Sra. Lysia Bucar Lopes de Sousa à equipe da Corregedoria Geral de Justiça do Estado do Piauí são irregularidades inadmissíveis”, argumentou a ministra Andrighi em sua decisão.

Segundo o magistrado Julio Cesar Garcez, juiz auxiliar da CGJ-PI, tais livros foram entregues à Corregedoria apenas em 15 de junho, após decisão do juiz titular da 1ª Vara Criminal da comarca de Teresina, Carlos Hamilton Bezerra Lima, em Ação Cautelar de Sequestro de Bens e Busca e Apreensão contra Lysia Bucar e os ex-tabeliães substitutos da serventia.



Fonte: JL/G1PI

Duplicações das BRs 316 e 343 em Teresina estão paradas há 2 anos

Obra foi orçada em R$ 70 milhões está parada há dois anos. Trechos inacabados prejudicam a fiscalização e aumentam os acidentes


N
a semana passada o governador do estado anunciou que as obras de duplicação das BRs 316 e 343 seriam reiniciadas até o último dia 15, mas cinco dias após a data marcada nada foi feito e nenhum operário foi encontrado no local.

As obras já deveriam ter sido finalizadas, mas o que se pode observar é muita poeira e transtorno. Para  quem mora no local a situação fica ainda mais complicada. “Além da poeira, nós estamos enfrentando várias doenças respiratórias porque aqui tem várias pessoas idosas e crianças”, disse o aposentado Valmir Alves.

Assim como outros comerciantes, Frankmar da Silva teve que fechar o negócio por causa do acesso ruim e da poeira. “Estou pegando prejuízo porque pago aluguel caro e não posso abrir meu comércio”, reclamou o comerciante.

Na BR-316 a situação é ainda mais grave. O trecho em obra dar acesso a dezenas de bairros da Zona Sul. O fluxo de carro, caminhões e ônibus é grande e aumenta ainda mais o risco de acidente.
A obra foi orçada em R$ 70 milhões está parada há dois anos. De acordo com os moradores da região, durante todo o tempo máquinas e operários não foram mais visto pelo local. “Desse tempo para cá só colocaram calçamento em uma das ruas e nada mais. Não teve mais reforma de nada”, reclamou a dona de casa Maria da Paz.

Uma pesquisa do Instituto de Economia mostrou que os trechos urbanos de Teresina estão entre os 15 mais perigosos de todo o Brasil. Somente em 2014 foram registrados 473 acidentes, sendo que sete pessoas morreram.

Para a Polícia Rodoviária Federal (PRF) as obras inacabadas prejudicam a fiscalização e podem aumentar o risco de acidentes. “Já eram trechos críticos e se manteve com o aumento da frota, mas uma fiscalização de rotina se manteve”, disse o inspetor Rodrigo Nunes.



Fonte: JL/G1PI

"Se sobrevoar favelas mais de uma vez, vem tiro", diz piloto do esquema de segurança da Rio 2016

No comando de helicópteros da Polícia Rodoviária Federal há 16 anos, Gilda Cardona diz que cidade exige cuidados redobrados de agentes, não só no trabalho, mas também na segurança pessoal

A
comandante Gilda Cardona pilota helicópteros da Polícia Rodoviária Federal (PRF) há 16 anos, tem mais de 3 mil horas de voo (perdeu a conta exata) e já foi alvo de tiros disparados por traficantes de drogas, quando sobrevoava o polígono da maconha no interior de Pernambuco. Paparicada pelos colegas marmanjos, Cardona é quase uma celebridade no esquema montado pela PRF para a segurança da Rio 2016. Ao menos cinco helicópteros participarão das missões de deslocamento de tropa, patrulhamento e resgate de vítimas de eventuais acidentes. A principal aeronave do esquema será um bimotor de 15 lugares, que ainda deve chegar ao Rio.
Mesmo com tanta experiência, Gilda afirma que a operação nos Jogos exigirá a maior cautela, perícia e arrojo em toda a sua carreira, a começar pela segurança pessoal. “A gente aqui tem cuidado redobrado. Andamos sempre com coletes [à prova de balas] e mais carregadores [munição]. Para nossos deslocamentos, tomamos cuidado e atenção bem maiores”, diz Cardona, que mora em Brasília. Quando está à paisana, ela evita andar armada pelas ruas do Rio de Janeiro por causa do risco de assalto. Na capital fluminense, ladrões têm como regra matar policiais.
A prudência também é adotada durante os voos com os helicópteros da PRF. “Não vamos dar mais de um [giro] de 360 em cima de locais de alerta máximo, porque senão vem tiro”, afirma Cardona, referindo-se a sobrevoos em favelas cariocas ainda dominadas por traficantes armados com fuzis. Alguns deles têm até metralhadora antiaérea. Por isso, Cardona adotou a estratégia de sobrevoar as favelas apenas uma vez e sempre em velocidade e altitude maiores que o normal.
Nesta quinta-feira (21), ÉPOCA embarcou em um helicóptero Bell 407 da PRF. A aeronave partiu da sede da polícia, na Zona Norte da cidade, com destino ao Parque Olímpico, na Zona Oeste, palco de diversas competições dos Jogos da Rio 2016. Embora não houvesse muitas favelas no caminho, um inspetor viajou de porta aberta com o fuzil na mão.



Fonte: JL/Época

Eva Longoria curte praia de nudismo em Ibiza e beija muito

Atriz, eternizada por 'Desperate Housewives', optou por ficar de biquíni
Eva Longoria está curtindo férias em Ibiza, na Espanha, e resolveu visitar uma praia de nudismo com as amigas e o marido, José Bastón.

A atriz preferiu ficar de biquíni enquanto suas amigas abriram mão das roupas. "Minha primeira vez em uma praia de nudismo como paparazzi", brincou ela em seu Snapchat ao dar um zoom desfocado em uma das amigas nuas.

Aos 48 anos, a estrela eternizada por seu papel em Desperate Housewives, além de se divertir muito no local, trocou beijos apaixonados com o marido.

Em 21 de maio, Eva e o empresário José Antonio 'Pepe' Bastón, presidente do Grupo Televisa, se casaram em Valle de Bravo, no México.



Fonte: JL/Quem

Francisco pede prudência no uso da internet a freiras enclausuradas

Novas regras sobre a 'vida contemplativa' foram divulgadas nesta 6ª. Cerca de 35 mil religiosas vivem em clausura na Itália e na Espanha

O
Papa Francisco convidou as milhares de freiras que vivem enclausuradas a não se deixarem "dissipar" pela internet. Nesta sexta-feira (22), foram divulgadas as novas regras sobre a "vida contemplativa".
"Em nossa sociedade, a cultura digital influencia decisivamente a formação do pensamento. Este clima cultural não deixa incólumes as comunidades contemplativas", escreveu o papa na sua Constituição Apostólica Vultum Dei quaerere (a busca do rosto Deus).
Estas novas regras dizem respeito a cerca de 35 mil religiosas em clausura em cerca de 4 mil monastérios, a maioria na Itália e Espanha.
"Estes meios podem certamente ser instrumentos úteis, mas peço-lhe o discernimento prudente, a fim que sejam colocados a serviço da formação à vida contemplativa, e não de ocasiões de dissipação e fuga da vida fraterna em comunidade, nem prejudiciais para a sua vocação ou um obstáculo à sua vida inteiramente dedicada à contemplação", ressalta o pontífice.
Apesar de uma queda drástica das vocações, o Papa argentino pediu para não tentar "recrutar" religiosas do estrangeiro para preencher os mosteiros.
"Embora as constituições das comunidades internacionais e multiculturais manifestem a universalidade do carisma, devemos absolutamente evitar o recrutamento de candidatos de outros países com o único propósito de preservar a sobrevivência do mosteiro", disse o papa.
Jorge Bergoglio pede também que a oração seja realmente o "centro" da vida em comunidade.
Além disso, incentiva todos os mosteiros de ser parte de uma federação, que é uma "importante estrutura de comunhão entre os mosteiros que partilham o mesmo carisma, a fim que eles não permaneçam isolados".
"Para a comunidade dedicada à contemplação, o resultado do trabalho não é apenas garantir uma vida decente, mas também, sempre que possível, para atender às necessidades dos pobres e mosteiros necessitados", disse o papa.
A Constituição apostólica anterior, sobre a vida contemplativa das monjas do papa Pio XII, Sponsa Christi, foi publicada em 1950.


Fonte: JL/Globo

Justiça bloqueia matrículas de 124 mil hectares de empresário no Sul do PI

Promotor disse ao G1 que a prática da grilagem é antiga na região Sul. Cartórios são investigados por suposta conivência com os crimes

U
ma ação judicial movida pelo Ministério Público do Piauí (MP-PI) bloqueou as matrículas de 124 mil hectares de terras adquiridos de forma ilegal por um empresário da região Sul do Piauí. Segundo o MP, o homem é considerado o maior grileiro da região e se apropria ilegalmente de grandes quantidades de terras. Para o grupo que investiga a prática criminosa, o caso de grilagem pode ser o maior do estado.
Ainda conforme as investigações, as terras indevidamente adquiridas por grandes empresários na região são objeto de constante especulação financeira, inclusive com a associação com entidades internacionais interessadas no mercado de imóveis rurais do Brasil. O MP apurou que o grileiro com os registros bloqueados é um dos principais vendedores de terras para empresas controladas pelo capital estrangeiro.
De acordo com a investigação, a aquisição ilegal de terras na região Sul do Piauí envolve a violência com o uso de capangas e jagunços, chegando a haver ameaças e até mesmo assassinatos durante a expulsão dos moradores que resistem em deixar as áreas. Para o Grupo Especial de Regularização Fundiária e Combate à Grilagem (GERCOG), vinculado ao MP, a ação ilegal dos grileiros ocorre de duas formas.
"Em certos casos os grileiros tentam comprar as áreas de pequenos produtores a preços mínimos e quando não conseguem utilizam a força. O processo de grilagem se concretiza com o cercamento da fazenda e com a implantação de segurança privada para vigiar a área grilada, a fim de garantir sua manutenção", diz o estudo desenvolvido pelo grupo especial do Ministério Público.
O MP descobriu que outro empresário já falecido utilizou procurações públicas falsificadas em 1996 para adquirir três propriedades no município de Santa Filomena, a 925 km de Teresina. As terras foram posteriormente adquiridas pelo homem considerado o maior grileiro do estado. Em uma das apurações, o MP detectou ainda a compra de uma fazenda sete anos após a morte do dono, o que evidencia a fraude.
De acordo com o GERCOG, os procedimentos irregulares foram executados com a conivência dos cartórios das cidades de Gilbués, Bertolínia e Santa Filomena. O bloqueio das matrículas foi deferido pelo juiz Heliomar Rios Ferreira, da Vara Agrária de Bom Jesus. No julgamento do mérito da ação, o Ministério Público pede que todos os registros irregulares adquiridos pelo empresário sejam cancelados.
Em entrevista ao G1, o promotor Santiago Júnior, titular da Promotoria de Justiça Agrária, afirmou que a atuação conivente dos cartórios vem sendo apurada. Ele destacou que o cartório de Gilbués já sofreu intervenção por parte do Tribunal de Justiça, onde o titular foi afastado e um interventor nomeado para gerir o órgão. Disse ainda que os cartórios de Santa Filomena e Bertolínia também são apurados.
"Essa é uma prática antiga na região e inclusive o cartório de Gilbués já sofreu intervenção pelo Tribunal de Justiça. Estamos dando continuidade às investigações e todos os envolvidos terão o direito ao contraditório. Conseguimos o bloqueio das matrículas e daremos continuidade", falou.
A Corregedoria do Tribunal de Justiça do Piauí preferiu não comentar o assunto.
Outros casos
Em fevereiro deste ano, o Tribunal de Justiça do Piauí cassou oficial de registro público da comarca de Ribeiro Gonçalves, a 580 km ao Sul de Teresina. A decisão foi resultado de Processo Administrativo Disciplinar (PAD) que averiguou denúncia de irregularidades relacionadas à grilagem de terras no Cerrado.
Na época, o TJ verificou entre várias outras irregularidades a presença de registros e averbações completamente genéricos, sem mencionar nomes, áreas e causas dos contratos. Além disso, detectou movimentações realizadas em uma matrícula, multiplicando sobremaneira o montante de terras ao qual se referia no início.


Fonte: JL/G1PI

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Candidatos a prefeito de Luzilância, Joca Marques e Madeiro somente podem gastar R$ 108.039,06

Portaria define os gastos dos candidatos a prefeito e a vereador nas eleições de 2016

N
esta terça-feira (19), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) publicou a Portaria nº 704/2016, que define os valores que os candidatos a prefeito e a vereador podem gastar na campanha eleitoral de 2016 em todo o país, valores estes atualizados nos termos do art. 2º, da Resolução/TSE nº 23.459, de 15 de dezembro de 2015.
 
Os candidatos a prefeito de Luzilândia, por exemplo, somente podem gastar até o limite de R$ 108.039,06 (cento e oito mil, trinta e nove reais e seis centavos). No caso das candidaturas à Câmara Municipal, cada vereador somente poderá gastar até o limite de R$ 13.665,72 (treze mil, seiscentos sessenta e seis reais, setenta e dois centavos). Estão aptos a votar no município 17.480 eleitores.
 
 
No Município de Joca Marques, cada candidato a prefeito também terá o valor de R$ 108.039,06 como limite máximo. E cada candidato a vereador o limite de R$ 18.573,63, (dezoito mil, quinhentos setenta e três reais e sessenta e três centavos), número maior que do Município de Luzilândia. Em Joca Marques podem votar 4.154 eleitores.
 
Já no Município do Madeiro, também cada candidato a prefeito terá o valor igual para gastos aos municípios de Luzilândia e Joca Marques (R$ 108.039,06). No caso dos vereadores, o valor é menor: R$ 10.803,91. Em Madeiro podem votar 5.651 eleitores.
 
Contratação de pessoal
 
Em relação à contratação direta ou terceirizada para prestação de serviços nas campanhas, terão uma tabela que mostra qual o maior e o menor número de contratações poderá ser feito pelos candidatos a prefeito e a vereador.
 
Os candidatos de municípios menores, como nos casos citados acima,  poderão contratar até dez pessoas para as campanhas ao cargo de prefeito e até cinco para as de vereador.



Fonte: JL/por Renata Pinheiro

Quadrilha colombiana de agiotagem é investigada pela polícia em Teresina

Delegado confirmou existência de investigação após denúncia recebida. Comerciantes são obrigados a pagar as parcelas todos os dias

O
Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) está investigando a atuação de uma quadrilha colombiana de agiotagem em Teresina. A apuração ainda em fase inicial foi desencadeada após um comerciante da Zona Sul denunciar a ação do grupo, que empresta dinheiro com o compromisso de o pagamento das parcelas ser feito diariamente.
A reportagem teve acesso a um dos cartões deixados pela suposta quadrilha e ligou para o telefone. Uma mulher que se identificou com o mesmo nome do cartão distribuído aos comerciantes explicou como tudo funciona.
Segundo ela, os pagamentos são diários e caso o comerciante não consiga pagar a parcela do dia, terá que pagar duas no dia seguinte. "Por exemplo, se você pega R$ 1 mil emprestados você paga 60 reais diariariamente. Todos os dias vai passar alguém para pegar o dinheiro, sempre de segunda a sábado durante 20 dias", falou.
Em outro trecho da conversa, ela diz que os juros já estão incluídos no valor da parcela. "O pagamento você faz só durante 20 dias e depois disso termina de pagar tudo. Porque nos R$ 60 estão inclusos os juros e a quantidade emprestada", falou. A agiotagem é crime previsto no Código Penal Brasileiro.
G1 ouviu um dos comerciantes que tomou dinheiro emprestado ao grupo. Segundo ele, a pessoa que não consegue pagar as parcelas recebe ameaças. O autônomo foi um dos que prestaram depoimento na polícia sobre o modus operandidos agiotas e relatou que conhece vários outros comerciantes que foram à falência após não conseguir pagar a dívida.
"Muitos comerciantes já fecharam as portas porque não aguentaram mais pagar todos os dias. Eles deixam os cartões embaixo das portas dos comércios com os telefones para quem se interessar em fazer o empréstimo. O problema é que muitos não conseguem mais pagar e todos os dias eles vêm fazer as cobranças", relatou.
O comerciante ainda contou como ocorrem as ameaças do grupo nos dias em que os pagamentos não são realizados. "Quando a gente não consegue pagar, eles vêm com aquela conversinha, dizem que estão em Teresina e que não têm nada a perder aqui. Que é bom a gente providenciar logo o pagamento", contou.
O delegado Gustavo Jung, do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco), confirmou ao G1 que a Polícia Civil apura denúncia relacionada à atuação do grupo. Apesar de confirmar, o delegado destacou que as investigações ainda estão em fase inicial e não deu mais detalhes para não comprometer o trabalho da polícia.


Fonte: JL/G1PI

Metade dos jovens que querem fazer faculdade depende do governo

Pesquisa feita pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes), divulgada nesta quarta-feira, 20, mostra que 50,5% dos estudantes brasileiros disseram não ter recursos para pagar uma faculdade particular e esperam contar com o Programa Universidade para Todos (Prouni) e 50,3%, com o Financiamento Estudantil (Fies)

P
esquisa feita pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes), divulgada nesta quarta-feira, 20, mostra que 50,5% dos estudantes brasileiros que disseram querer curso o nível superior nos próximos três anos não têm recursos para pagar uma faculdade particular.
Dentro deste grupo que pretende cursar uma graduação, 57,9% dos jovens esperam contar com o Programa Universidade para Todos (Prouni) e 50,3%, com o Financiamento Estudantil (Fies).
Levantamento é divulgado no momento em que o governo interino de Michel Temer apresenta medidas que dificultam o acesso ao Fies. Desde que assumiu, o ministro interino da Educação, Mendonça Filho já anunciou o corte de 90 mil vagas do Fies, e disse que parte da remuneração destinada aos bancos será custeada pelas faculdades que participam do programa. As entidades afirmam que a mudança deve gerar impacto no reajuste das mensalidades já no ano que vem.
Foram ouvidos 1.000 jovens de 18 a 30 anos, com ensino médio completo, de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Florianópolis, Salvador, Fortaleza, Manaus, Recife e Belém. 71,9% deles cursaram o ensino médio em escolas públicas e 62,9% deles acreditam que os estudantes de escolas públicas não têm as mesmas condições que os alunos das particulares para ter acesso às universidades públicas.
A pesquisa mostrou que o sonho do nível superior ainda está vinculado aos diplomas mais tradicionais. Em uma listagem de 20 cursos, a faculdade mais desejada é a de medicina (12,7% dos entrevistados), seguida por direito (11,1%) e engenharia (10,9%) em terceiro lugar. Apenas 15,1% responderam que desejam fazer algum curso na área de licenciatura.


Fonte: JL/247

Pesquisa BrVox/Cocal:Rubens Vieira tem 47% contra 12,86% de Gilson da Serraria

Acompanhando uma pré-campanha polarizada entre dois grupos políticos, os eleitores da cidade de Cocal - localizada a 289 km ao Norte de Teresina - foram consultados pelo Instituto BrVox sobre a disputa para prefeito e a avaliação da gestão municipal do prefeito Rubens Vieira (PSDB).
Pré-candidato à reeleição, o tucano foi apontado na pesquisa estimulada como intenção de voto de 47,5% dos entrevistados. É uma larga vantagem diante do segundo colocado na pesquisa, o pré-candidato da oposição Gilson da Serraria (PMDB). O ex-vereador obteve apenas 12,86%, percentual menor do que o de indecisos, que atingiu 34,29%.


Os que responderam Nenhum/Nulo/Branco somam 5,36%.


Gilson é, até agora, o único nome da oposição em Cocal que assumiu a pré-campanha. E ele mesmo, em entrevista à imprensa local, garantiu que novos nomes não devem ser apresentados.


De bem com o eleitorado
Questionados se o prefeito Rubens Vieira deve ser reeleito,75,36% dos entrevistados respondeu que sim. Apenas 12,14% disse que não. Os restante 12,5% se mostraram indecisos.



Rejeição mínima
Dez pontos percentuais separam os dois pré-candidatos em Cocal nos números da rejeição. 12,5% responderam que não votariam de jeito nenhum em Gilson da Serraria. Já a rejeição de Rubens Vieira somou apenas 2,86%.


Neste levantamento 65% dos entrevistados se mostrou indeciso. 19,64% respondeu Nenhum/Nulo/Branco.



De bem com o eleitorado - Parte 2
O BrVox também questionou os eleitores de Cocal sobre a avaliação que eles fazem entre os últimos prefeitos do município. Rubens foi apontado como "o que mais trabalhou" por 54,64%. Já Anastácio França foi o melhor na opinião de 19,29%. O terceiro melhor colocado foi Zé Maria Monção, com 10,71%. Chico Antônio obteve 0,71%. Ferandinho não pontuou. Indecisos são 11,43% e os que responderam Nenhum/Nulo/Branco, 3,21%.


Alto índice de aprovação
Na pesquisa BrVox, o prefeito Rubens Vieira chegou ao nível de aprovação de 92,86% dos entrevistados. Apenas 4,29% responderam que não aprovam a forma de administrar do peessedebista. Os indecisos, neste questionamento, somaram apenas 2,86%.



Ficha técnica
A pesquisa foi realizada em Cocal entre os dias 19 e 20 de julho, com eleitores de 16 ou mais anos de idade. Ao todo foram ouvidos 280 eleitores.


A Pesquisa BrVox em Parnaíba está registrada junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número PI-03164/2016.


O nível de confiança é de 94,14%, e a margem de erro é de 5,86%.


Fonte: 180 Graus

terça-feira, 19 de julho de 2016

Tribunal de Contas divulga nova lista de gestores ficha suja no Piauí; Cocal está incluso na relação

O Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE) divulgou na última sexta-feira (15/06) uma nova lista com os nomes dos gestores municipais que tiveram suas prestações de contas reprovadas e/ou julgadas irregulares pela Corte nos últimos oito anos.
O documento possui 91 páginas e uma extensa lista com nomes de ex-prefeitos, presidentes de Câmara Municipais e gestores de diferentes órgãos da esfera municipal cujos processos tem decisões transitadas em julgado perante a Corte de Contas.

A relação será enviada para o Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI), conforme determina a lei nº 9.504/97, a chamada Lei das Eleições, que poderá tornar os referidos gestores inelegíveis para as eleições municipais de 2016.


CLIQUE AQUI e confira a nova lista de gestores com contas reprovadas.

A última lista havia sido divulgada no dia 12 de maio de 2016.




Fonte: Cidades da Net

‘Made in Piauí’, Sarah Menezes é a cajuína do judô em especial do JN

Na edição desta segunda-feira (18/07) o Jornal Nacional contou um pouco da história da judoca piauiense Sarah Menezes que vai tentar o bicampeonato olímpico. Ela que se tornou a primeira mulher brasileira a conquistar o ouro nos tatames. A seguir você confere o belíssimo texto do jornalista Pedro Bassan na íntegra e imagens da reportagem.
‘Made in Piauí’, Sarah Menezes é a cajuína do judô em especial do JN
Quatrocentos e sessenta e dois atletas vão representar o Brasil na Olimpíada do Rio. É um recorde para o nosso país. E no meio de tanta gente talentosa, uma judoca do Piauí vai tentar o bicampeonato olímpico.


É a história de uma menina que construiu uma ponte entre o Japão e o Piauí. De Tóquio a Teresina, onde o judô encontrou a primeira mulher brasileira a conquistar o ouro nos tatames. Nenhuma surpresa. O brilho da medalha de Sarah Menezes combina muito bem com um antigo tesouro do Piauí: cajuína.

O conhecimento que vai passando de pai para filho há várias gerações faz nascer esse ouro engarrafado. Com o judô também é assim. Mas faltava matéria-prima para produzir o ouro. Faltavam judocas no Piauí.

O professor Miguel resolveu encarar esse desafio, de porta em porta. “Fiz a divulgação nas salas de aula, divulgação para os pais e aí começou. Em torno de 15, 16 alunos que faziam a aula de judô aqui”, conta Miguel Mendes, o primeiro professor da Sarah.

“Quando eu vi a demonstração que tinha que derrubar o outro, eu achei legal, aquilo me chamou a atenção, eu acabei entrando através dessa brincadeira” lembra Sarah.

A vontade de Sarah era bem maior do que a quadra da escola. Um mês depois, ela foi levada até o professor Expedito Falcão. Ele quase não acreditou no que viu e ensinou Sarah a acreditar.

“Era um dom natural, só que era uma coisa bruta, sem técnica, eu só fui começando a moldar, a lapidar aquele diamante bruto que estava na minha mão”, relembra Expedito Falcão, o treinador da Sarah.
Desde então, Sarah viu o tempo passar nesse mesmo tatame. Aos nove anos ela começou a aprender todos os verbos do judô: treinar, lutar, suar, derrubar. Só não conjugava o verbo perder.

“Fui conhecer essa palavra quando eu entrei na Seleção Brasileira, com 15 anos. Então eu passei seis anos da minha vida sem saber o que era derrota”, conta.

Com as vitórias de Sarah Menezes, o Piauí entrou no mapa do judô mundial.
“Eu sempre fui um pouco marrenta, eu nunca tive medo. Eles que tinham medo da piauiense. Quando via lá nas costas que tinha o patch, quando via PI, eles tinham receio e não eu”, lembra.

“Ela era a titular da seleção brasileira. Do Piauí, um estado sem nenhuma retrospectiva de atletas de alto rendimento. É a coisa que eu mais me orgulho, é que a Sarah é uma atleta ‘made in Piauí’. Ela nasceu, treinou, a vida toda dentro do Piauí”, afirma Expedito.

Sarah aprendeu o verbo perder em português e em chinês, na Olimpíada de Pequim.
“Com 18 anos, muito jovem. Ela não aguentou a pressão”, diz Expedito.
Talvez por isso, quatro anos depois, quase ninguém acreditava.

“Quando a Sarah foi viajar para as Olimpíadas em 2012, na hora do embarque, o rapaz fez uma surpresa, lá na hora do embarque, vamos tirar aqui uma foto, aí ele tirou ali do bolso, a palavra boa sorte, e nós só éramos sete, teve o João que segurar duas letras, pra formar a frase”, conta a mãe Dina Menezes.

Quando Sarah voltou de Londres, no aeroporto estava lotado.
“Eu até tomei um susto. O Piauí parou, o aeroporto lotado, eu fiquei até com medo de sair do aeroporto, porque a multidão era realmente incrível”, lembra.

“Quando ela ganhou a primeira luta, poucas pessoas assistiram. Na segunda luta, o Piauí começou a parar. Na terceira luta dela, o Piauí parou. Na quarta, o Brasil parou”, conta Expedito.
Na quinta luta, a medalha de ouro. Aos 22 anos, melhor do mundo. Foi então que Sarah começou a ouvir várias vezes a mesma frase: mais difícil do que chegar ao topo é se manter lá.

Por que será que repetiam tanto isso? Porque é verdade.
“Foi de ladeira abaixo. Meu ano de 2014 e 2015 não foram positivos”, revela. No judô, quem derruba hoje, cai hoje mesmo.

“Uma garota que começou a ser conhecida, querendo ou não, começou a ter um recurso. Ela poder comprar o que ela quer, ela poder ir onde ela quiser. Em 2014 eu acredito que veio essa ressaca”, diz Expedito.

Os resultados foram tão ruins que ela correu o risco de nem participar da Olimpíada do Rio. E de repente, Sarah voltou.


Receita para recuperar o tempo perdido: treino, muito treino, e depois do treino, mais treino.

Parece um filme de super-herói. Mas é a supersarah em ação. Ela voltou a ficar entre as três melhores do mundo e só vai parar no dia 6 agosto, o primeiro dia de medalhas nos Jogos.
“Quem quiser tirar a medalha dela vai ter que fazer mais do que ela fez”, diz o treinador.

“Todos nós temos capacidades, você pode ser de qualquer lugar, não ter receio de falar de onde você é, acreditar mesmo, e fazer por onde as coisas acontecerem”, afirma Sarah.

A menina que botou o Piauí no mapa do judô vai mostrar aos estrangeiros as belezas do Brasil. Começando pelo nosso chão. E não que ela goste da nossa terra, mas Sarah Menezes prefere olhar para o céu.



Fonte: Com informações do Jornal Nacional

Bloqueio do WhatsApp vai começar às 14h e deve estar concluído às 15h

Juíza determinou a suspensão do serviço do aplicativo em todo o Brasil






POR ROBERTA SCRIVANO
 
- Brent Lewin / Bloomberg


SÃO PAULO e RIO - As operadoras de celular começarão a bloquear o serviço do WhatsApp às 14h, disse uma fonte ligada às empresas de telefonia. A expectativa é que até as 15h o aplicativo esteja totalmente fora do ar. O WhatsApp já prepara recurso para recorrer do bloqueio.


A juíza de fiscalização da Vara de Execuções Penais do Rio de Janeiro Daniela Barbosa Assunção de Souza determinou a suspensão do serviço do aplicativo de mensagens WhatsApp em todo o Brasil. Ela cobra da empresa que as mensagens trocadas por pessoas investigadas sejam desviadas em tempo real antes de ser implementada a criptografia que impossibilita o acesso ao conteúdo.

A juíza afirma que o Facebook, empresa dona do WhatsApp, foi notificado três vezes sobre a decisão para que fizesse interceptação de mensagens relativas a uma investigação em andamento, em sigilo, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Ainda de acordo com a magistrada, a empresa americana teria se limitado a responder, em inglês, que não arquiva e não copia mensagens compartilhadas entre os usuários.

Daniela, no entanto, cobra do WhatsApp que as mensagens trocadas sejam desviadas em tempo real antes de serem criptografadas. "Deve se registrar que o juízo não solicitou em momento algum o envio de mensagens pretéritas nem o armazenamento de dados, medidas estas que os responsáveis alegam não serem passíveis de cumprimento", diz o texto da juíza.

As operadoras de telefonia foram notificadas pela Justiça do Rio por volta das 11h30m e precisam suspender o serviço. Caso contrário, as empresas ficam sujeitas a uma multa diária de R$ 50 mil. Esta é a terceira vez que o aplicativo, que pertence ao Facebook, é paralisado no país. Procuradas, as operadoras Oi, TIM, Vivo e Claro informaram que vão divulgar em breve comunicado sobre o assunto. Em nota, a Nextel apontou que já foi notificada e cumprirá a decisão judicial. Durante o bloqueio do aplicativo, segundo a Nextel, o serviço de SMS da operadora será gratuito.

BLOQUEIOS ANTERIORES

Esta é a terceira vez que o WhatsApp é bloqueado pela Justiça no Brasil. Em todos os casos, a suspensão foi uma represália judicial por a empresa ter se recusado a cumprir determinação de quebrar o sigilo de dados trocados entre investigados criminais.

O primeiro bloqueio foi em dezembro do ano passado e ocorreu a pedido da 1ª Vara Criminal de São Bernardo do Campo, que determinou a suspensão do serviço por 48 horas. A decisão foi derrubada 12 horas depois, quando o próprio WhatsApp impetrou um mandado de segurança pedindo o restabelecimento do serviço.

Houve ainda uma outra tentativa da Justiça de derrubar o serviço, em fevereiro. Da mesma forma, o objetivo era forçar a empresa a colaborar com investigações sobre casos de pedofilia na internet, desta vez da polícia do Piauí. A decisão, porém, foi suspensa pelos desembargadores Raimundo Nonato da Costa Alencar e José Ribamar Oliveira, do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI), que concederam liminares sustando os efeitos da decisão do juiz Luiz de Moura Correia, da Central de Inquéritos do Poder Judiciário em Teresina, que suspendia o uso do aplicativo WhatsApp em todo o Brasil.


PUBLICIDADE

A segunda paralisação do aplicativo ocorreu em maio deste ano, por determinação da Justiça de Lagarto, no Sergipe. Na época, a decisão era de que o bate-papo ficasse bloqueado por 72 horas. A medida — proferida em 26 de abril, mas que só chegou às operadoras em 2 de maio — foi ordenada pelo juiz Marcel Montalvão.

Nos dois bloqueios anteriores do serviço, entre os argumentos usados pelos advogados do WhatsApp, estava a questão da proporcionalidade, já que a medida afeta milhões de usuários enquanto os criminosos investigados são apenas alguns.

PRIVACIDADE DE DADOS

A discussão de acesso a dados pessoais de usuários tem ganhado força nos últimos meses. Desde fevereiro, a Apple enfrenta uma batalha judicial contra o FBI, que tenta desbloquear o sistema operacional de um iPhone recuperado de um dos atiradores da chacina em San Bernardino, na Califórnia, no final do ano passado. A empresa se opôs ao objetivo da polícia com os argumento de ameaça à segurança dos usuários.

Família percorre 181 km a pé para pagar promessa no interior do Piauí

Carpinteiro fez promessa pedindo a recuperação do irmão enfermo.
Romeiros se juntaram à peregrinação até Santa Cruz dos Milagres.

Catarina CostaDo G1 PI
Grupo saiu de Teresina com destino a Santa Cruz dos Milagres (Foto: Raily Pereira/Arquivo Pessoal)

Em nome da fé, uma família percorreu 181 km a pé entre Teresina e Santa Cruz dos Milagres, Sul do Piauí, para pagar a promessa de recuperação de um parente enfermo. A peregrinação que começou com 25 pessoas só foi aumentando no meio do caminho e encerrou às 21h do sábado (16) com 40 fiéis, após uma semana de viagem.

O idealizador da peregrinação é o carpinteiro Ulisses Pereira da Silva, de 73 anos. Ele fez a promessa de percorrer a pé o percurso até Santa Cruz dos Milagres, carregando a réplica da imagem que dá nome à cidade, pela recuperação do irmão Assis Pereira Filho, 62 anos, que estava internado com uma grave infecção pulmonar e já desenganado pelos médicos.

"Fiz a promessa há dois anos. No dia eu acompanhava o meu irmão no hospital, quando ele bastante debilitado, já sem andar, pediu a presença de todos os irmãos para se despedir. Na hora eu sai para orar, me apaguei com a divina Santa Cruz e pedi que se ela desse a saúde para o Assis, eu faria a réplica da imagem e vinha trazendo a pé até Santa Cruz dos Milagres. Ao retornar para o quarto, o meu irmão sentiu uma emoção forte e começou a chorar. Creio que o milagre aconteceu ali, porque nos dias seguintes ele só foi melhorando", revelou Ulisses.
Carpinteiro Ulisses Pereira foi o idealizador da
peregrinação (Foto: Raily Pereira/Arquivo Pessoal)
Várias pessoas apoiaram a família durante
peregrinação (Foto: Raily Pereira/Arquivo Pessoal)

Com a cura do irmão, o carpinteiro passou um ano planejando a viagem com a família até cumprir a promessa. O grupo saiu no dia 9 de Teresina, às 14h, e a cada cidade percorrida mais romeiros, entre eles uma idosa de 80 anos e duas crianças de 11 meses e 6 anos, se juntavam a peregrinação de 'Seu Ulisses'.

"Graças a Deus o milagre aconteceu, o meu irmão se curou. Durante a peregrinação passamos na casa dele, em Demerval Lobão, tiramos fotos e choramos muito ao lembrar da graça alcançada. Na verdade, fiquei emocionado a viagem toda. Sempre que eu falava ou pensava no Assis, que algum fiel na estrada me pedia para beijar a cruz as lágrimas corriam no meu rosto.

Os custos da viagem, incluindo a confecção da réplica da Santa Cruz, alimentação e outros materiais, ficou orçado em R$ 6 mil. Três carros deram apoio durante todo o percurso e a hospedagem da família ficou por conta de fiéis, muitos deles desconhecidos, mas que admiraram a história de Ulisses e o amor dele pelo irmão.

"Sou o filho mais velho de sete e tudo que fiz tem um nome: AMOR. Amor ao meu irmão e a minha família. Já tenho uma certa idade, mas percorri todo o trajeto a pé carregando a Santa Cruz e sem senti uma dor, porque minha devoção era maior. Agora vou doar a réplica que fiz para a igreja local e na segunda-feira voltaremos de carro e ônibus para Teresina", declarou emocionado Ulisses Pereira.
Peregrinação até Santa Cruz dos Milagres durou uma semana (Foto: Raily Pereira/Arquivo Pessoal)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...